Você está aqui: Página Inicial / Política / Procurador compara acusação a acidente com Césio 137

Política

Cachoeiroduto

Procurador compara acusação a acidente com Césio 137

por Redação Carta Capital — publicado 03/04/2012 16h16, última modificação 03/04/2012 16h53
Defensor de Goiás diz que reportagem sobre governador 'estigmatiza' população e promete processar CartaCapital

Vinte e cinco anos após o acidente com o Césio 137, uma das maiores tragédias radioativas do País, Goiás está novamente no centro de um novo “ataque violento”. Desta vez, não por causa dos efeitos da radiação, mas do “estigma” gerado pela reportagem de capa de CartaCapital sobre as relações entre o governo local e o contraventor Carlinhos Cachoeira.

É o que diz o procurador-geral do estado, Ronaldo Bicca, que ameaça processar a revista por suposta ofensa ao governador e à população goiana. Assinada pelo repórter Leandro Fortes, a reportagem de capa da última edição da revista mostra, com base em investigações da Polícia Federal, como Cachoeira, preso e investigado na Operação Monte Carlo, interferia no governo de Marconi Perillo (PSDB-GO).

Foi o suficiente para que o procurador-geral do estado afirmasse, segundo relato do portal Terra, que os goianos estão sendo novamente “atacados violentamente”, “estigmatizados” e “discriminados”, como na época do acidente com o Césio 137.

“Os goianos não merecem ser taxados como moradores de um estado que é dominado pelo crime”, disse o procurador, conforme relato do portal.

“O que estigmatiza os políticos do estado neste momento não é a nossa reportagem, mas o fato de o crime organizado estar infiltrado nas entranhas do poder público. Tóxica é a corrupção”, afirma Sergio Lirio, redator-chefe de CartaCapital.

O procurador se disse ainda “indiferente” à suspeita de que as revistas com a reportagem desapareceram das bancas no estado. Disse que este é um assunto entre a revista e “quem vai à banca comprar”.

A reportagem que irritou o procurador do estado mostra uma conversa interceptada em 5 de janeiro de 2011 entre Cachoeira e seu principal auxiliar, Lenine Araújo de Souza. O bicheiro se queixava porque um de seus indicados para o governo, identificado apenas como Caolho, havia sido preterido pelo governador.

“O Marconi, hora que souber disso (sic), vai ficar puto”, reclama Cachoeira no telefonema. E ainda completa: “O Demóstenes (Torres, senador do DEM também investigado após as revelações) já está ligando pra ele (Marconi)”, diz, em diálogo interceptado com autorização judicial.

Sobre a intimidação, o jornalista Leandro Fortes respondeu: “Apesar de trágico, soou como um elogio, se bem estabelecida a metáfora. Tola é a tentativa de colocar o estado de Goiás contra mim, eu, demônio estigmatizante. Eu não acredito que as pessoas do estado de Goiás sejam moralmente cegas e surdas. Talvez o procurador não entenda, mas, entre outras coisas, fiz a matéria porque me solidarizo com toda a gente honesta do estado de Goiás.”