Você está aqui: Página Inicial / Política / Presidente do PSDB de Goiás é preso pela PF

Política

Corrupção

Presidente do PSDB de Goiás é preso pela PF

por Redação — publicado 24/08/2016 12h15
A Operação Decantação investiga desvio de 4,5 milhões de reais em recursos federais de companhia de saneamento do estado
Reprodução/Facebook
Campanha

Afrêni Gonçalves e outros ligados a Marconi Perillo, governador de Goiás, são alvo da PF

A Polícia Federal prendeu Afrêni Gonçalves Leite, presidente do PSDB de Goiás, como parte da operação Decantação, deflagrada nesta quarta-feira 24.

Ele é suspeito de participar de esquema que teria desviado 4,5 milhões de reais em recursos federais da Empresa Saneamento de Goiás (Saneago). Segundo os investigadores, a verba desviada teria favorecido campanhas políticas do PSDB.

José Taveira Rocha, ex-secretário de Fazenda do tucano e diretor-presidente da empresa pública, também é alvo de mandado de prisão, além de outras pessoas ligadas ao governador Marconi Perillo (PSDB-GO).

Dirigentes e colaboradores da Saneago também são suspeitos de promover licitações fraudulentas mediante a contratação de uma empresa de consultoria envolvida no esquema. A PF afirma que recursos públicos federais oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de financiamentos do BNDES e da Caixa Econômica Federal, foram desviados para pagamento de propinas e dívidas de campanhas da legenda. 

Outra forma de ação da organização criminosa, segundo a PF, consistia no favorecimento pela consultoria contratada da Saneago a empresas que participavam do conluio e que eram responsáveis, posteriormente, por doações eleitorais.

Afrêni Gonçalves
O presidente do PSDB de Goiás está preso temporariamente (Foto: Reprodução/Facebook)

A PF realiza buscas na sede do PSDB em Goiânia, na Saneago e de empresas envolvidas nas fraudes, além de residências e endereços ligados aos investigados. Ordens judiciais estão sendo cumpridas em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Formosa, Itumbiara, São Paulo e Florianópolis (SC).

De acordo com a PF, a operação Decantação, cujo nome faz alusão a um dos processos de tratamento de água em que ocorre a separação de elementos heterogêneos, contou com apoio do Ministério Público Federal e do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, e evitou um prejuízo de quase R$ 7 milhões.

Foi determinado o afastamento da função pública de oito servidores e a proibição de comunicação entre nove envolvidos. Eles responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, organização criminosa e fraudes em processos licitatórios.