Você está aqui: Página Inicial / Política / Polícia pede quebra de sigilo telefônico de suspeitos da morte de prefeito de Jandira

Política

Crime

Polícia pede quebra de sigilo telefônico de suspeitos da morte de prefeito de Jandira

por Redação Carta Capital — publicado 13/12/2010 16h08, última modificação 13/12/2010 16h08
Morto a tiros na sexta-feira 10, Braz Paschoalin era alvo de investigação do MP por pagamento de propinas a vereadores para que projetos fossem aprovados.

A polícia pediu nesta segunda-feira 13 a quebra do sigilo telefônico dos quatro suspeitos de envolvimento no assassinato do prefeito de Jandira, Braz Paschoalin (PSDB), morto a tiros em frente à uma rádio local na sexta-feira 10.

Segundo o delegado Zacarias Tadros, o pedido aguarda autorização da justiça. O objetivo é confrontar as versões dadas pelos quatro suspeitos com as conversas telefônicas pouco antes do crime. Todos cumprem prisão preventiva na Cadeia Pública de Carapicuiba.

Corrupção
Paschoalin era investigado pelo Ministério Público de São Paulo por um suposto esquema de corrupção que envolvia também outros cinco vereadores. O prefeito pagaria propina aos vereadores para que projetos na Câmara fossem aprovados. Os promotores acompanharão as investigações porque há suspeitas de que a morte tenha relação com o esquema de corrupção. Um ex-secretário do prefeito é suspeito de entregar mais de 200 mil reais para os cinco vereadores.

registrado em: