Você está aqui: Página Inicial / Política / Persistem as dúvidas

Política

Sigilo

Persistem as dúvidas

por Sergio Lirio publicado 10/09/2010 01h50, última modificação 10/09/2010 16h54
A Receita Federal tergiversa e o PT não esclarece a participação de filiados na violação dos dados fiscais de tucanos. Permanece a pergunta: a quem interessava?
serra

Após o bombardeio, o tucano não reverteu o quadro favorável a Dilma e Lula

A Receita Federal tergiversa e o PT não esclarece a participação de filiados na violação dos dados fiscais de tucanos. Permanece a pergunta: a quem interessava?

À exceção do vazamento a conta-gotas de novas vítimas do crime cometido na agência da Receita Federal em Mauá (SP) – na quarta-feira 8 soube-se que os dados cadastrais do genro de José Serra, o empresário Alexandre Bourgeois, também foram acessados sem motivação –, as investigações sobre a quebra de sigilo de parentes e tucanos ligados ao candidato à  residência estacionaram em um ponto que permite diversas interpretações. Ninguém até o momento obteve a resposta a duas perguntas essenciais: a quem interessava – ou interessa– a violação da situação fiscal desse grupo tão específico? E como a candidatura de Dilma Rousseff, acusada pelo PSDB de estar por trás das violações, poderia se beneficiar de tal malfeitoria?

A nebulosidade com que a Receita e o próprio PT tratam do assunto estimula muitas das acusações. Por várias vezes, a cúpula da Receita foi obrigada a retificar declarações após a mídia publicar as informações corretas. No caso mais grave, o órgão federal sustentou que Verônica Serra, filha do candidato tucano, havia solicitado suas declarações de Imposto de Renda à agência de Santo André, mesmo ciente de que os documentos foram obtidos por meio de uma procuração fajuta com declaração falsificada da contribuinte. Desde que uma das vítimas, Eduardo Jorge Caldas Pereira, vice-presidente do PSDB, conseguiu o inquérito tocado pela corregedoria e passou a vazar os dados dia a dia, a turma de Otacílio Cartaxo, diretor da autarquia, vive a se desculpar. Foram tantos os desmentidos e o disse-não-disse que o governo precisou colocar a Polícia Federal nas investigações.

*Confira este conteúdo na íntegra da edição 613, já nas bancas.

registrado em: