Você está aqui: Página Inicial / Política / Pediram para Ciro Gomes sair

Política

Eleições 2010

Pediram para Ciro Gomes sair

por Celso Marcondes — publicado 23/04/2010 18h51, última modificação 17/08/2010 18h53
Agora não tem mais volta, a direção do PSB definiu o script para uma “saída honrosa” do deputado.

Agora não tem mais volta, a direção do PSB definiu o script para uma “saída honrosa” do deputado.

Veremos os últimos dias de Ciro Gomes como eventual candidato à presidência da República. Depois do almoço desta quinta 22, que reuniu Ciro, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos e o vice-presidente do PSB, Roberto Amaral, foi iniciada a operação para que ele retire seu nome da disputa.

Foram meses de resistência do deputado. Nas primeiras pesquisas de opinião, em setembro passado, ele chegou a assustar. No levantamento feito pelo Ibope divulgado em 21 de setembro, era esta a situação: Serra 35% dos votos, Ciro 17%, Dilma 15% e Marina 8%.

Naquele momento, Ciro defendia com energia a sua tese, segundo a qual seria muito mais inteligente para o governo federal ter dois candidatos na sua base de apoio. Porém, ela se confrontou diretamente com aquela sustentada pelo presidente Lula, o primeiro a insistir na ideia de uma eleição plebiscitária, reduzida ao embate entre um candidato de cada lado do ringue.

Os meses foram se passando, Serra foi se mantendo no mesmo patamar, por mais que “cozinhasse” o anúncio de sua candidatura e sofresse com o assédio de Aécio Neves.
Dilma, por sua vez, crescia mês a mês, com sua imagem cada vez mais identificada com a do presidente Lula.

Ciro, ao contrário, foi definhando. Em nenhum momento o PSB bancou seu nome, o que tornou inviável qualquer passo para formalizar alianças com outros partidos. Para complicar ainda mais, numa visita ao Planalto, ele recebeu um convite do presidente Lula: candidatar-se ao governo de São Paulo.

Transferiu seu título eleitoral para a capital paulista, deixando uma fresta da porta aberta para uma saída alternativa, mas entrou em guerra com o PT local. Atirou e levou chumbo, até que Aloizio Mercadante fosse sacramentado como candidato dos petistas em São Paulo.
Desde então, as pesquisas de opinião foram cada vez mais ingratas com o deputado cearense, até que as últimas começaram a colocá-lo atrás de Marina Silva, em quarto lugar. Seus 17% de setembro, passaram para 10%. E os 15% de Dilma para 34%, enquanto Serra permanecia incólume, dançando entre 35 e 40%, dependendo do instituto.

O almoço de ontem definiu o script dos próximos dias. Ciro foi informado que a prioridade do PSB para este ano é aumentar a bancada parlamentar e o número de governadores nos estados. E que para isso o melhor seria estar com Dilma desde cedo.

Os diretórios regionais do partido foram chamados a se posicionar sobre a questão. Eles dirão que concordam com a direção nacional do PSB e conclamarão o deputado a se engajar nas campanhas regionais. Dirão que ele é imprescindível neste papel.
Ato final: Ciro acata a decisão partidária e parte com Patrícia Pillar para uma viagem por terras europeias.

E a tese do deputado terá sido definitivamente enterrada.
Em junho tem a Copa do Mundo. Depois a campanha começa a sair dos pequenos círculos e chegar até o povo. Entrará no ar o horário gratuito na tevê e os debates, os comícios se espalharão pelo País.

Aí veremos quem sentirá saudades da eloquência do cearense paulista.

O que pensa o leitor de CartaCapital?

registrado em: