Você está aqui: Página Inicial / Política / PCdoB se reúne para buscar saída

Política

Orlando

PCdoB se reúne para buscar saída

por Agência Brasil publicado 26/10/2011 12h45, última modificação 26/10/2011 15h38
Participam do encontro o presidente nacional da legenda, Renato Rebelo, e parlamentares como Manuela D'ávila e Aldo Rebelo

Brasília - A cúpula do PCdoB se reuniu na liderança do partido na Câmara para discutir a situação do ministro do Esporte, Orlando Silva. Participaram do encontro o presidente nacional da legenda, Renato Rebelo, e parlamentares da bancada, entre eles, a deputada Manuela D'ávila (PCdoB-RS) e o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

A reunião durou mais de duas horas. À saída, o presidente do PCdoB, Renato Rabelo, informou que iria ao Palácio do Planalto no fim da tarde para conversar com a presidenta Dilma Rousseff sobre a situação.

“Ainda não nos encontramos com a presidenta. Não posso adiantar [a posição do partido]. É uma questão de ética”, disse Rabelo.

A reunião está marcada para as 17h30. A saída do ministro Orlando Silva não foi confirmada pelo Palácio do Planalto. Ao sair da reunião com os deputados, Rabelo colocou a decisão de se demitir como uma "questão pessoal" do ministro. “Ele foi acusado de forma injusta, numa tentativa de exposição”, disse.

Na terça-feira 25, a ministra Cármen Lúcia divulgou que aceitou o pedido de abertura de inquérito, feito na semana passada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Hoje de manhã, Orlando Silva foi ao Planalto conversar com o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República. Logo após, seguiu para o Ministério do Esporte onde permaneceu até a hora do almoço.

O ministro Orlando Silva enfrenta diversas denúncias de irregularidades na pasta do Esporte. Ontem (25), a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia aceitou o pedido de abertura de inquérito para investigar denúncias de desvio de recursos do Programa Segundo Tempo, do Ministério do Esporte. O pedido foi feito na semana passada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Há duas semanas, o policial militar João Dias acusou o ministro de participar de um esquema de desvio de recursos públicos do programa Segundo Tempo. A denúncia foi publicada pela revista Veja. Desde então, Orlando Silva vem negando participação no esquema, tendo prestado informações ao Congresso Nacional. Ele também pediu ao Ministério Público que o investigasse para garantir sua inocência.

O ex-ocupante da pasta e atual governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, também é acusado de desviar dinheiro do programa. A ministra Cármen Lúcia determinou que o inquérito que já investiga Agnelo Queiroz no Superior Tribunal de Justiça (STJ) seja levado ao STF para que ela avalie se o processo deve correr em conjunto com o de Orlando Silva.

Matérias originalmente publicadas em Agência Brasil