Você está aqui: Página Inicial / Política / Paulo Bernardo também cede às pressões dos barões da mídia

Política

Paulo Bernardo também cede às pressões dos barões da mídia

por Leandro Fortes — publicado 14/02/2012 18h01, última modificação 29/04/2013 10h56

O ministro Paulo Bernardo, ao que parece, é o ministro Hélio Costa renascido, mas sem a vasta e grisalha cabeleira global. Apóia todas as demandas dos oligopólios, desde o impedimento de “regulação de conteúdo”, à esparrela de controlar capital estrangeiro em sites jornalísticos na internet. Nem uma palavra sobre a única questão que realmente interessa nessa discussão, que é a proibição, pura e simples, da propriedade cruzada.

Esse sistema, pilar do poder dos conglomerados de comunicação do país, permite às organizações de mídia controlar jornais, rádios, TVs e portais de internet, tudo ao mesmo tempo. Sistema que coíbe a concorrência, impõe pensamento único, cala as divergências e torna invisíveis os movimentos sociais e populares. É uma ditadura, curiosamente, consolidada sob o refúgio de uma falsa liberdade de imprensa e de expressão – dois conceitos diferentes, mas deliberadamente misturados para interditar essa discussão.

O próprio conceito de “regulação de conteúdo” é colocado de forma enviesada, de maneira a se confundir com censura, inclusive de veículos impressos e de internet, quando, na verdade, diz respeito apenas às concessões de radiodifusão. Sequer se trata de censura prévia, mas de normatização de um espaço público dominado, atualmente, pela baixaria e pela manipulação informativa. Sem falar na questão da classificação de horário por faixa etária, da qual o governo Lula, depois de fazer um longo estudo, abriu mão por pressão das grandes emissoras de TV.

Sobre a questão do capital estrangeiro na internet, tudo beira a piada e a um desconhecimento grotesco da dinâmica da rede. A internet é universal e transnacional por natureza. Eu posso montar uma empresa em Miami e só publicar matérias sobre o Brasil, a partir de uma equipe free lancer contratada em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Os oligopólios da mídia estão se pelando de medo é das telefônicas, que têm potencial e dinheiro para criar uma nova política de conteúdo na rede, longe das amarras dos velhos esquemas. É sobre isso que o governo e o Congresso Nacional devem legislar, e não ficar fazendo a vontade dos barões da mídia. Senão, caminharemos, como de costume, para a submissão e o abismo das oportunidades perdidas.