Você está aqui: Página Inicial / Política / Câmara rejeita pedidos para convocação de Palocci

Política

Consultorias de ministros

Câmara rejeita pedidos para convocação de Palocci

por Redação Carta Capital — publicado 18/05/2011 12h51, última modificação 18/05/2011 17h51
Plenário vota contra requerimentos apresentados pela oposição. No mesmo dia, mídia divulga o nome de outros ministros que têm empresas de consultoria. Mais um fogo amigo?
Palocci e Pimentel

Os ministros Antonio Palocci e Fernando Pimentel, em aparente sintonia durante a Marcha dos prefeitos. Foto: Agência Brasil

O plenário da Câmara rejeitou dois requerimentos que pediam a convocação do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci. DEM e PSDB, autores dos requerimentos, pediam que o ministro desse explicações sobre a suspeita de enriquecimento ilícito. O patrimônio de Palocci teria aumentado 20 vezes nos quatro anos em que foi deputado federal.    

O primeiro requerimento, rejeitado por 266 votos a 72, pedia uma sessão extraordinária para convocar o ministro. O segundo pedia diretamente a convocação do petista e foi rejeitado por votação simbólica.

O líder do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), acusa o governo de blindagem do ministro e anunciou a obstrução das votações na Casa.

A decisão foi criticada por deputados da base governista. O líder do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP), acusou a oposição de “declarar guerra sem necessidade”. Para o líder, a obstrução atrapalha todos os trabalhos na Casa. “Querem fazer disso um cavalo de batalha, e isso não dá. Todo mundo tem o direito de achar estranho [o aumento de patrimônio de Palocci], mas ninguém pode acusar sem provas”, disse. 

Suspeitas complicam planos do governo

Na Câmara dos Deputados, o adiamento da votação do novo Código Florestal e a tentativa da oposição de convocar o ministro Antonio Palocci  para esclarecer suspeitas de enriquecimento indevido travam os planos do governo federal de votar medidas provisórias de interesse do Executivo – entre elas a MP que prevê a flexibilização de compras para obras da Copa e das Olimpíadas.

Como represália à decisão do plenário de não convocar o ministro, a oposição decidiu impedir o início da votação das MPs na Casa e, ao mesmo tempo, tentou reunir apoio das lideranças partidárias para votar ainda nesta quarta-feira o novo Código Florestal.

No fim, conseguiram impedir a votação das MPs, mas aceitaram acordo para votar o projeto do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) apenas na próxima terça-feira.

Fogo amigo? 

Em menos de seis meses de governo, a presidenta Dilma Rousseff tem uma lista de pelo menos sete ministros envolvidos em polêmicas e pressões desde que assumiram o cargo, em 1º de janeiro. Primeiro, foi Ana de Hollanda (Cultura), que se desgastou com a comunidade artística no debate sobre direitos autorais e por ter recebido diárias para se hospedar no Rio de Janeiro, onde possui residência. Semanas depois, foi a vez do chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, questionado por aumentar seu patrimônio em 20 vezes nos últimos quatro anos. Agora, o jornal O Estado de S.Paulo divulga uma lista com outros cinco ministros que, assim como Palocci, mantém sociedades com empresas de consultoria. 

São eles os petistas Fernando Pimentel (Desenvolvimento) e José Eduardo Cardozo (Justiça); Moreira Franco (Secretaria de Assuntos Estratégicos), da cota do PMDB; Fernando Bezerra (Integração Nacional) e José Leônidas Cristino (Secretaria Nacional dos Portos), ambos do PSB. Todos negam haver conflito de interesses entre a natureza das empresas e a ocupação dos cargos. Fato é que a suspeita atinge um dos principais opositores de Palocci: o mineiro Fernando Pimentel, que havia perdido força ao longo da campanha de 2010 em meio ao episódio do suposto dossiê contra adversários tucanos.

À época, falou-se que a divulgação das suspeitas era resultado de fogo amigo entre petistas que controlavam a área de omunicação da campanha – de um lado, o ex-prefeito de Belo Horizonte, amigo pessoal da então candidata; de outro, o hoje presidente do PT Rui Falcão, do núcleo paulista do partido, assim como Palocci. Pimentel foi derrotado na corrida pelo Senado, mas acabou contemplado com o Ministério do Desenvolvimento. Ele afirmou à reportagem do Estado que a empresa, apesar de ativa, não prestará serviço enquanto for ministro. 

Coordenador da campanha de Dilma e nome forte da economia no governo Lula, Palocci se viu obrigado a responder sobre a engorda de seu patrimônio observada a partir de 2006, quando se elegeu deputado e declarou possuir 375 mil reais em bens. Quatro anos, um apartamento e um escritório comprados por 7,5 milhões depois, Palocci tenta agora se livrar das suspeitas argumentando que a variação patrimonial é resultado de serviços prestados por sua empresa de consultoria.

Acuado, Palocci tratou de apontar ex-integrantes de governos passados que também enriqueceram fora do poder público. Em e-mail dirigido a parlamentares, disse que a “experiência única” de ocupar cargos públicos dá valor aos profissionais de consultoria. “Não por outra razão, muitos outros se tornaram em poucos anos banqueiros, como os ex-presidentes do Banco Central e BNDES Pérsio Arida e André Lara Rezende, diretores de instituições financeiras como o ex-ministro Pedro Malan ou consultores de prestígio como o ex-ministro Maílson da Nóbrega.”

 *Com informações da Agência Brasil

registrado em: