Você está aqui: Página Inicial / Política / Oscar: Personagem brasileiro de “Lixo Extraordinário” tem visto americano negado

Política

Premiação

Oscar: Personagem brasileiro de “Lixo Extraordinário” tem visto americano negado

por Redação Carta Capital — publicado 02/02/2011 11h00, última modificação 02/02/2011 18h54
O catador de lixo, Sebastião Carlos dos Santos, que teve a oportunidade de viajar para Londres, mantém a esperança quanto a cerimônia de entrega da estatueta

O catador de lixo, Sebastião Carlos dos Santos, que teve a oportunidade de viajar para Londres,  mantém a esperança quanto a cerimônia de entrega da estatueta
Um dos principais personagens do documentário “Lixo Extraordinário” poderá ficar fora da festa do Oscar. O catador de lixo brasileiro, Sebastião Carlos dos Santos, o Tião, teve seu visto de visitante negado pelo consulado americano.
Indicado ao Oscar de melhor documentário, Lixo Extraordinário, é estrelado pelo catador juntamente com um grupo de trabalhadores que sobrevivem da reciclagem de materiais recolhidos no aterro sanitário de Gramacho, em Duque de Caxias (RJ).
O local inóspito foi a fonte de inspiração para que o artista plástico Vik Muniz pudesse produzir sua arte, que tem como base a montagem de grandes imagens em que  pessoas são retratadas através do próprio material encontrado no aterro. Eternizadas em fotografias, os registros são leiloados para colecionadores internacionais por milhares de dólares.
O catador de 32 anos trabalha no aterro desde os 11. Já viajou para Londres com Muniz onde viu seu retrato ser arrematado por 28 mil libras, que equivalem a 45 mil dólares. Com o lucro do leilão comprou uma casa.
Para o reciclador, como prefere ser chamado, muita gente tem preconceito em relação ao trabalho que desenvolve, já que as pessoas veem o lixo como algo insignificante.
Tião, que tornou-se presidente da associação local de catadores, afirma que o documentário mostra que as pessoas que vivem do lixo são batalhadoras, sustentam suas famílias e desenvolvem um trabalho honesto.
O documentário, que já faturou o Festival de Berlim ano passado, custou US$1,5 milhão e foi produzido pela britânica Lucy Walker. Na premiação enfrentará concorrentes de peso, como o filme “Exit Though The Gift Shop”, também focado na arte de rua.
Muniz acredita que, caso ganhem a estatueta, quem deveria recebê-la seria Tião, que no filme  tem um papel fundamental, no entanto, a burocracia da imigração norte-americana tem dificultado as coisas. Com o visto de visitante negado, Tião mantém a esperança de que reverter a situação a tempo de ir à cerimônia de premiação que ocorrerá no fim deste mês.
Como já noticiou,  o visto americano para trabalhar dificilmente é  concedido a pessoas de baixa renda. As pessoas mais simples, além de terem o visto negado, costumam até ser rotuladas internamente como personagens de ficção. São catalogados como “bons”, “maus” ou “feios” pelo consulado.

registrado em: