Você está aqui: Página Inicial / Política / Novo capítulo no desmonte da TV Cultura

Política

Mídia

Novo capítulo no desmonte da TV Cultura

por Felipe Corazza — publicado 04/08/2010 14h53, última modificação 04/08/2010 14h53
Anúncio de reestruturação na emissora paulista - e boato sobre demissão de 80% do quadro - expõe processo irreversível de desmanche

A TV Cultura de São Paulo está prestes a dar mais um passo rumo ao desmonte. A bomba, desta vez, veio do blog do colunista Daniel Castro, do portal R7. Na manhã desta quarta-feira 4, o blogueiro anunciou que a emissora paulista demitirá 1.400 funcionários – o quadro atual é de 1.800 -, venderá patrimônio e passará a atuar apenas como uma produtora de conteúdos, deixando de lado sua estrutura e sua história.

Segundo a nota publicada por Castro, João Sayad, presidente da Cultura e ex-secretário de Cultura do Estado de São Paulo, tem carta branca do governador Alberto Goldman para “reduzir ao máximo a produção de programas e cortar o número de funcionários em quase 80%”.

A nota do blogueiro vai além: “Sayad pensa até em vender o patrimônio da TV Cultura. Já encomendou aos advogados da emissora um estudo sobre a viabilidade de a Fundação Padre Anchieta, mantenedora da TV, se desfazer de seus estúdios e edifícios na Água Branca, em São Paulo”.

Segundo uma fonte de dentro da emissora, o processo começou ainda na gestão de Paulo Markun à frente da emissora, com diminuição de repasses do governo, aposta em publicidade privada e planos para cortar o investimento em produções “da casa”. Entre os funcionários mais antigos, a sensação é de que há um desmonte quase irreversível a caminho. A única esperança é que um novo governador – “menos serrista” – amenize ou mesmo breque a sangria.

A notícia correu pela rede de microblogs Twitter e, apenas no início da tarde, a Fundação Padre Anchieta, mantenedora da TV Cultura, divulgou um comunicado oficial. Sem falar explicitamente em demissões, o texto chama a Cultura de “patrimônio querido dos paulistas e brasileiros”. Logo em seguida, começa a listar os motivos pelos quais este “querido patrimônio” deve ir abaixo. Eis o anúncio na íntegra:

Comunicado Oficial Fundação Padre Anchieta

04/08/2010 13h56m

Em face às recentes notícias publicadas sobre a TV Cultura, informamos que:

A TV Cultura é patrimônio querido dos paulistas e brasileiros, com um acervo de ótimos programas e vários artistas e jornalistas de sucesso que começaram aqui, mas que precisa se renovar. Perdeu audiência, qualidade e se tornou cara e ineficiente.

Esta é a proposta de renovação que a Administração levará ao Conselho da Fundação Padre Anchieta: a revitalização dos programas admirados, a modernização dos processos administrativos, bem como dos equipamentos, e contando com os talentos que a emissora possui e com a contratação de novos apresentadores e jornalistas.”

Reação

Mesmo antes do comunicado oficial, internautas já demonstravam indignação no Twitter. As mensagens faziam referência à história da emissora, à boa qualidade da programação e, algumas, relacionavam a derrocada da Cultura às sucessivas gestões tucanas no governo do estado.

As manifestações dos twitteiros condensaram-se sob o tópico #salveatvcultura. Para decepção dos navegantes, a “tag” não chegou a figurar entre os Trending Topics – lista dos assuntos mais discutidos na rede no momento. Na relação paulista, a Cultura perdeu para Bon Jovi, Luan Santana, Amy Winehouse e outros mais cotados.

registrado em: