Você está aqui: Página Inicial / Política / MP investigará Mantega por omissão na Casa da Moeda

Política

Esquema de fraude

MP investigará Mantega por omissão na Casa da Moeda

por Agência Brasil publicado 02/04/2012 18h11, última modificação 06/06/2015 18h58
Mantega admitiu tomar conhecimento de denúncias em 2010, mas presidente, suspeito de desvio, só foi exonerado em 2012
Mantega

Falha de comunicação entre o Judiciário e o MP-DF esultou no término do inquérito para apurar se ministro da Fazenda cometeu improbidade administrativa Foto: Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, será investigado por omissão no esquema de fraude comandado pelo ex-presidente da Casa da Moeda Luiz Felipe Denucci. A Procuradoria da República no Distrito Federal acatou representação de senadores da oposição e da base aliada e abriu apuração preliminar sobre o caso.

O pedido foi instaurado na última quinta-feira 29, mas a notícia só foi divulgada nesta segunda-feira 2. A investigação será conduzida pelo procurador Júlio Carlos Schwonke, titular do 3º Ofício de Patrimônio Público. O procedimento preparatório tem 90 dias para ser concluído, podendo ser prorrogado por igual prazo. Se os trabalhos não forem concluídos no prazo, o Ministério Público abrirá inquérito civil, que tem até um ano para ser concluído.

A investigação do ministro da Fazenda havia sido pedida pelos senadores Demóstenes Torres (DEM-GO), Álvaro Dias (PSDB-PR), Aloysio Nunes (PSDB-SP), Pedro Taques (PDT-MT), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). No último dia 16, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, havia encaminhado a representação à Procuradoria da República no Distrito Federal.

Exonerado da Casa da Moeda no fim de janeiro, Denucci ocupava o cargo desde 2008 e é acusado de operar um esquema de remessas ilegais de recursos para paraísos fiscais. O dinheiro viria de contratos de fornecedores de serviços à estatal, subordinada ao Ministério da Fazenda. Na ocasião, Mantega chegou a admitir ter tomado conhecimento das denúncias em 2010, mas considerado as acusações "sem fundamento".

*Matéria originalmente publicada em Agência Brasill

registrado em: ,