Você está aqui: Página Inicial / Política / Mercadante e o governo Lula - Parte II

Política

Eleições 2010

Mercadante e o governo Lula - Parte II

por Celso Marcondes — publicado 18/06/2010 16h06, última modificação 17/08/2010 16h07
Na segunda parte da entrevista que deu à CartaCapital, Aloizio Mercadante avalia o governo Lula e destaca as diferenças com o período FHC

Na segunda parte da entrevista que deu à CartaCapital, Aloizio Mercadante avalia o governo Lula e destaca as diferenças com o período FHC

Na sequência, a segunda parte da entrevista que o senador Aloizio Mercadante, pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PT.

CartaCapital: E aquela polêmica a respeito dos números que Dilma usou sobre as operações da Polícia Federal?
AM:
Eu terminei um livro com um balanço do governo Lula. 1012 é (o número de operações da PF) que está no livro, eu terminei o livro com um balanço até 2009. Quando a Dilma me ligou, eu disse que era mais, imediatamente nós repassamos e eram 1060. No meu livro está assim: 20 operações de 2000 a 2002 do Fernando Henrique Cardoso. Eram 183 operações nos primeiros três anos do governo Lula, agora são 1060. Isso está disponibilizado no site da Polícia Federal inclusive, uma parte anterior do governo do Fernando Henrique Cardoso, se você olhar relatórios encontra lá as operações que foram feitas. É inquestionável. Nós aumentamos em 47% a verba da Receita Federal, aumentamos o efetivo, demos liberdade para adequação, investimos na inteligência policial, na polícia científica e os resultados apareceram também no combate à corrupção hoje muito mais eficiente. Uma transparência muito maior no País.

Objetivamente, o comportamento histórico deles e das principais lideranças não é compatível com esse discurso. Agora, se esse discurso é verdadeiramente uma inflexão, e eles pensam isso, se até quem sempre criticou o Lula, agora elogia o Lula, então vamos votar em quem o Lula elogia, vamos votar na Dilma.
E se esse governo é tão bom como eles dizem, então ele tem que continuar, deixar a Dilma trabalhar.