Você está aqui: Página Inicial / Política / Melhor para os fatos

Política

Sócio Capital

Melhor para os fatos

por Coluna do Leitor — publicado 10/11/2010 09h30, última modificação 10/11/2010 17h19
O leitor Roberto Barreto rememora coisas de uma crônica do pernambucano Nelson Rodrigues cujo título é: Pior para os fatos

Por Roberto Barreto, de Catende

Abancado, penso à direita na foto, indicador esquerdo apontando pra esquerda, mão direita segurando algo parecido a uma brochura, terno com risca de giz, como manda o figurino da elegância a um senador da República, gravata vermelha sob o colarinho branco – fica bem assim, Danuza? -, Sérgio Guerra, o presidente do PSDB, o irreverente, segundo Gilberto Freyre, parecia um daqueles usineiros que tocam o negócio com mão de ferro, enquanto leem Manuel Bandeira na rede à sombra dos coqueiros no litoral. A foto, tirada em 5 de novembro de 2009, ilustrava a entrevista de meia página do jornal O Estado de S. Paulo, veículo que já vinha fazendo das tripas coração para empurrar Serra rampa acima e colocar o tucano no Palácio do Planalto. O título, retirado de uma frase do recifense, criado na Zona da Mata pernambucana, dizia: ‘Somos favoritos. Mas a eleição será dura’. Grifei alguns trechos e guardei aquela página A7, afinal, o futuro nem mais ao Papa pertence, como já vimos.

Além do título, três trechos me pareceram especiais, visto que pronunciados pelo grande ‘articulador’, ideologicamente identificado como um político de ‘centro’, ‘uma das cem cabeças mais influentes’ do Congresso Nacional, na avaliação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), criado em 1983. O primeiro: ‘Ela (Dilma) trabalha com fundamentos autoritários, não consegue produzir nada organizado, tem uma visão preconceituosa e uma cabeça muito atrasada’. O segundo: ‘Terrorismo e mentira. Estamos enfrentando um adversário que não respeita limite, não os considera e que não faz a menor questão de falar a verdade’. O terceiro: ‘Não vamos precisar fazer nenhuma cirurgia nele (José Serra)’.

Durante a campanha, deu no que deu, a começar pelo veto – se podemos acreditar no que sai na imprensa que torce pelo ‘PSDEMB’, perdão pelo neo(fisio)logismo – à presença de Fernando Henrique Cardoso na Convenção do partido, sendo posteriormente obrigado a engolir - e confraternizar com - o tucano-mor. Indispôs-se com a verde Marina, que afinal ajudaria a levar seu chefe ao segundo turno. Partiu de foice em punho, como se estivesse em um sonho diante de um canavial recém-calcinado, contra os institutos de pesquisa e, particularmente, contra o Vox Populi, classificando um resultado - crescimento da candidata do PT – como uma ‘safadeza’. Dizem que tomou um chega pra lá, do chefe, do qual até hoje não se recuperou.

Todavia, na função de coordenador da campanha, gerou uma coleção de pérolas políticas capazes de levar a turma do DIAP a repensar as loas. Bom, de volta ao passado do favoritismo, já vimos que a nossa Dilma parece diferente daquela desenhada pelo Guerra, sabemos quem usou e abusou do terrorismo e da mentira na campanha e, quanto à cirurgia no Serra, o verbo era outro: adiantar.

E para fechar a história, rememoro coisas de uma crônica de outro pernambucano, Nelson Rodrigues, também do Recife, cujo título é: Pior para os fatos.

O inveterado torcedor do Fluminense, inconformadíssimo com um empate em zero que deu o campeonato ao rival Flamengo, no dia 15 de dezembro de 1963, descreve a maravilha de partida jogada pelo Flu, com um pênalti perdido e uma bola na trave, mas diz que o técnico Flávio Costa não quis ganhar o jogo. Encerra a história acrescentando que os fatos não confirmaram a profecia, mas o profeta não se abala e decreta: pior para os fatos. No caso do Sérgio Guerra, os fatos também não confirmaram a profecia e nós, que torcemos pelo time da Dilma, recuperados da ressaca, concluímos tão apaixonadamente quanto o Nelson pelo Flu: melhor para os fatos, que desatam a gargalhada cósmica. Obrigado, Nelson.

registrado em: ,