Você está aqui: Página Inicial / Política / Mandante do crime se entrega

Política

Caso Dorothy Stang

Mandante do crime se entrega

por Redação Carta Capital — publicado 06/09/2011 16h23, última modificação 07/09/2011 14h43
Regivaldo Pereira Galvão, condenado a 30 anos pelo assassinato da missionária em 2005, foi preso após não conseguir anular seu julgamento

O fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão, o Taradão, condenado a 30 anos de prisão por ser considerado um dos mandantes da morte da missionária Dorothy Stang em 2005, se entregou à polícia na terça-feira 6.

Galvão teve o pedido de anulação de seu julgamento negado na terça-feira pelo Tribunal de Justiça do Pará, que também decretou sua prisão preventiva.

Segundo a Polícia Civil de Altamira, no Pará, o fazendeiro fez exames de corpo de delito e foi transferido para o Centro de Recuperação municipal. Ele era o único dos cinco acusados pelo assassinato da freira americana naturalizada brasileira ainda solto.

Há a possibilidade de recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas Taradão deve aguardar o julgamento na prisão.

Rayfran das Neves, o Fogoió, e Amair Feijoli, o Tato, foram sentenciados a 27 anos de cárcere pela participação na morte da religiosa. Clodoaldo Batista, o Eduardo, recebeu 17 anos de sentença e Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, 30 anos.

O caso

Dorothy Stang foi assassinada com seis tiros em uma estrada da cidade de Anapu, no Pará, em 2005. A irmã liderava na região, que possui intenso conflito agrário, o Projeto de Desenvolvimento Sustentável Esperança e teria denunciado a intenção de Galvão e Vitalmiro Bastos de Moura em adquirir de forma ilegal um lote de assentamento.

registrado em: ,