Você está aqui: Página Inicial / Política / Lições do Brasil de baixo

Política

Rosa dos Ventos

Lições do Brasil de baixo

por Mauricio Dias publicado 22/11/2010 10h27, última modificação 30/11/2010 11h51
Histórias de três figuras diferentes, mas igualmente insólitas. Por Mauricio Dias. Foto: Ricardo Stuckert/Pr/SBT
Lições do Brasil de baixo

Histórias de três figuras diferentes, mas igualmente insólitas. Por Mauricio Dias. Foto: Ricardo Stuckert/Pr/SBT

Histórias de três figuras diferentes, mas igualmente insólitas
Antônio Gonçalves da Silva (1909-2002), o Patativa do Assaré, poeta cearense, criou e consagrou a expressão “Brasil de baixo” (Talvez ainda aconteça/que o Brasil de baixo suba/e o Brasil de cima desça), uma ousada metáfora de subversão política em um dos poemas de cunho social que fazia. Dois representantes contemporâneos desse pessoal que nasce do chão, do qual Patativa foi um inspirado porta-voz, deram exemplos recentes que podem melhorar a história política e empresarial brasileira.
Um deles, o ex-torneiro mecânico do ABC Paulista, Luiz Inácio da Silva, o Lula, virou presidente da República. O outro, um ex-camelô das ruas do Rio de Janeiro, Senor Abravanel, o Silvio Santos, tornou-se um dos grandes empresários do País. Assim emergiram esses brasileiros dotados de notável determinação, mas cada qual no seu caminho que, como qualquer outro, é também marcado por erros, ambiguidades, contradições.
Essa sintonia não torna o político e o empresário politicamente iguais.
Lula, à frente de um governo qualificado pelo compromisso com o resgate social dos menos favorecidos, foi submetido por correligionários à tentação de buscar o terceiro mandato. Tinha apoio político e social suficiente para alterar as regras do jogo e se beneficiar delas, como fez FHC ao aceitar ser conduzido ao segundo mandato. O operário, ao contrário do sociólogo, recusou. Um raro episódio de desprendimento do poder.
Silvio Santos consolidou-se no setor de comunicação, em 1975, beneficiado por decisão do regime militar, ao qual, pragmaticamente, deu apoio. Cresceu fazendo uma televisão de conteúdo popularesco. Isso alavancou parte de outros negócios dele, como, por exemplo, o Banco PanAmericano, que atua no varejo com empréstimos consignados, entre outros.
Abalado por um rombo na carteira de crédito, calculado em 2,5 bilhões de reais, o PanAme-ricano levou Silvio Santos a tomar uma decisão tão incomum quanto perturbadora no Brasil. O empresário assumiu integralmente a responsabilidade pelos danos e ofereceu seus bens para levantar empréstimo no Fundo Garantidor de Crédito  (FGC). Para sanar o problema, buscou recursos privados e não públicos, ao contrário do que ocorre por essas bandas.
Há pouquíssimos exemplos iguais no Brasil. O mais conhecido ocorreu, em fins do século- XIX, com Irineu Evangelista de Souza (1813-1889), o Barão de Mauá, ícone do empresariado nacional. Empreendedor visionário, foi à falência, em 1887, emparedado pela mentalidade de uma sociedade preconceituosa e escravocrata. 
Resignado, vendeu todos os bens para pagar as dívidas. Parece ficção, mas é verdade. Admi-radores mais devotados chegaram a dizer que hipotecou o próprio pincenê. Em seguida, retirou-se para Petrópolis e escreveu um opúsculo honesto e corajoso – Carta aos Credores e ao Público em Geral –, explicando as razões de suas desventuras econômicas.
Há um fio que liga os gestos de Lula, Silvio Santos e Mauá, que começou a vida como caixeiro de um armazém e trabalhava em troca de moradia e comida: o “Brasil de baixo”. Parte do País discriminada e desacreditada pelo “Brasil de cima”.
Em tempo: Mauá tornou-se, na época, referência internacional de empresário ousado e de visão. Assim aparece em um dos livros do escritor francês Júlio Verne. Fato, aliás, ignorado por quase todos, senão todos, biógrafos do Barão.

registrado em: