Você está aqui: Página Inicial / Política / Jorge Furtado anuncia: “Vendo dossiê”

Política

Factoide

Jorge Furtado anuncia: “Vendo dossiê”

por O Escrevinhador — publicado 10/08/2010 13h06, última modificação 10/08/2010 13h06
Parte importante da imprensa brasileira criminalizou a palavra dossiê, é possível que um filho que, ao chegar em casa, informe ao pai que está fazendo um dossiê na escola, fique sem a mesada

Por Jorge Furtado*

Estou vendendo um dossiê por mim mesmo produzido, de livre e espontânea vontade. Ninguém me pediu ou pagou para elaborar este dossiê, embora reconheça que os dados e informações que ele contém já tenham me rendido alguma grana.

A palavra dossiê, diz o Houaiss, é um substantivo masculino, “série de documentos importantes que tratam, revelam a vida de um ou mais indivíduos, de um país, de uma instituição etc.; pasta, arquivo ou fichário que contém estes documentos. Tem origem francesa, dossier, encosto, espaldar de uma cadeira, de uma cama.

Parte importante da imprensa brasileira criminalizou a palavra dossiê, é possível que um filho que, ao chegar em casa, informe ao pai que está fazendo um dossiê na escola, fique sem a mesada (já que o Lula proibiu palmadas).

Roubar provas de processos, documentos públicos, violar segredo de justiça, sigilos fiscais, bancários, telefônicos, conversas com analistas ou confissões ao padre, conversas obtidas com grampos telefônicos ilegais, incluir tudo ou parte disso num dossiê e vender ou chantagear pessoas, plantar estas informações na imprensa, divulgá-las, tudo isso é crime, vários crimes diferentes.

Mas para quem perde tempo lendo só as manchetes, um lembrete: fazer dossiê não é crime, nem comprá-los, nem vendê-los.

Em toda eleição surgem pilhas de dossiês, para todo lado. Uns colam, outros não, depende da qualidade do material. São mais valiosos se neles houver vídeo, gravação sonora ou fotos: “Ação é eloqüência, e os olhos do ignorante mais eruditos do que as orelhas.” (“Volumnia, em Coriolano, III, 2: Action is eloquence, and the eyes of th’ ignorant more learned than the ears.)

A quem queira comprar dossiês recomenda-se que, antes de pagar, veja se o material já não está disponível na internet, como foi o caso dos vídeos do suposto dossiê de 2006, supostamente contra os tucanos, da suposta tentativa de compra que supostamente fariam os supostos aloprados, os vídeos com os discursos da turma dos sanguessugas, com José Serra presente. Os tais vídeos rodavam há tempo pelo youtube e as únicas coisas que provavam é que os nossos políticos são muito feios (“Política é show-bussines para feios”) e que é muito difícil gravar áudio de boa qualidade com câmeras portáteis.

Parênteses: Tenho absoluta convicção – e, aviso, não há aqui um só pingo de ironia – de que José Serra não tinha a menor idéia de que a turma que aparece ao fundo nos tais vídeos estava sugando dinheiro de hospitais públicos, superfaturando ambulâncias, e que se, se por acaso desconfiasse de algo, agiria com extremo rigor, exigindo a punição dos culpados. Felizmente a honestidade de nossos quatro bons candidatos à presidência não está em questão. Fim dos parênteses.

Já para quem quer vender dossiês, a dificuldade é mostrar o que se tem para vender sem que, mostrando, já se esteja entregando o produto, sem ter recebido o pagamento.

Dou um exemplo: digamos que o seu interesse no dossiê que eu tenho para vender seja o fato dele incluir uma boa reprodução de “Pesca noturna em Antibes”, do Picasso, um quadro sobre o qual você já ouviu falar muito. É um óleo sobre tela, pintado em 1939 (205.8 cm x 345.4 cm) está no MOMA, em New York. Você viu no site do MOMA: http://www.moma.org/collection/object.php?object_id=78433, mas era uma reprodução muito pequena, os herdeiros de Picasso não permitem reproduções de alta resolução na rede. Eu digo que tenho uma, no meu dossiê. Antes de me pagar, você vai querer saber se o quadro que eu tenho é este mesmo, é um direito de quem compra, examinar o produto.

Então eu lhe mostro o quadro:

http://www.join2day.net/abc/P/picasso/picasso207.JPG

Depois de vê-lo, você pode pensar: já vi, para que pagar para ver?

Pensei em usar o dinheiro – que eu iria ganhar na venda do meu dossiê – para comprar qualquer imóvel de candidato nestas eleições, pagando 20% a mais do valor declarado à receita e vendendo no dia seguinte, a preço de mercado. Com o extraordinário lucro obtido na venda, pensei em comprar uma chácara de lazer em São Paulo que, conforme fiquei sabendo pelas palavras do preparadíssimo candidato tucano no debate da Band, tem cerca de 80 hectares, na média.

Pensei em tudo isso mas desisti. Com tantas dificuldades, informo que vou doar o dinheiro que arrecadar na venda do meu dossiê. Fica, portanto, combinado o seguinte:

Eu publico aqui o dossiê, no qual tenho trabalhado por vários anos. Se você gostar e quiser comprá-lo, doe qualquer quantia ao primeiro pedinte que encontrar pela rua. (Faça isso antes que o vice-presidente Indio da Costa, ao tomar posse um dia, proíba as esmolas no país).

Caso você não goste do meu dossiê, apague de seu computador e não mostre para ninguém. Olha lá, vou confiar em você!

Aqui vai:

Dossiê William Shakespeare:

http://shakespeare.yippy.com/

http://shakespeare.mit.edu/works.html

http://shakespeare.about.com/?once=true&

http://www.william-shakespeare.info/william-shakespeare-dictionary.htm

http://www.opensourceshakespeare.org/concordance/

http://www.loc.gov/rr/mopic/findaid/willfilm.html

http://pages.unibas.ch/shine/translatorsport.htm

http://books.google.com/books?id=Ap4NAAAAQAAJ&printsec;=titlepage&source;=gbs_summary_r#v=onepage&q;&f;=false

X

Atenção, o que segue é uma ficção, não aconteceu, é mentira, eu inventei!

Maria de Lourdes (Malu) e Odete foram colegas desde a oitava série, em São Bernardo. Pouco antes do vestibular elas brigaram, Odete ficou com o Agnelo, um namorado de Malu, e elas nunca mais se falaram.

Odete casou com o Agnelo, que trabalhava na prefeitura da capital paulista, parece que era assessor de um secretário, algo assim. Odete subiu na vida, morava num apartamento bom no bairro de Pinheiros. Malu seguiu em São Bernardo, formou-se em contabilidade, trabalhava no sindicato das costureiras.

Um dia Malu viu Agnelo com uma loira, entrando num motel. Ela viu muito bem que era ele, ela estava saindo do motel com o Toninho e o Agnelo, num Ford Fusion preto, entrava no motel com uma loira. E a loira não era Odete.

- A vingança é um prato que se come frio, disse Malu.

Toninho perguntou por que ela estava dizendo aquilo, ela desconversou, disse que foi só uma frase que ouviu num debate na tevê, gostou e anotou na agenda.

No dia seguinte, Malu mandou uma carta anônima para Odete:

- Muito bonito o Ford Fusion Preto do teu marido. E muito bonita a loura que estava com ele, duas da manhã, entrando no Motel Over Night, no Tatuapé.

Odete leu o bilhete várias vezes, bebeu demais, misturou com remédio para emagrecer e esperou Agnelo em casa com uma faca.

O enterro de Agnelo é amanhã, meio-dia.

No dia seguinte:

Manchete de um jornal sensacionalista:

Bilhete anônimo entrega marido e termina em morte.

Manchete de um grande jornal brasileiro:

Dossiê de sindicalista do ABC contra mulher de tucano termina em morte.

X

Sobre “Pesca Noturna em Antibes”:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pesca_Noturna_em_Antibes

*Matéria originalmente publicada no blog O Escrevinhador