Você está aqui: Página Inicial / Política / Ibama multa Chevron novamente

Política

Vazamento de petróleo

Ibama multa Chevron novamente

por Redação Carta Capital — publicado 24/12/2011 11h40, última modificação 24/12/2011 11h40
Empresa deve pagar mais 10 milhões de reais por ter descumprdo condições previstas na licença ambiental, diz o órgão
An aerial view is seen of oil that seeped off the coast of Rio de Janeiro, caused by a well drilled by Chevron at Frade, on the water in Campos Basin in Rio de Janeiro state

Vazamento na Bacia de Campos. Foto: Governo do Estado do Rio de Janeiro

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) multou na sexta-feira 23 a empresa petrolífera Chevron em 10 milhões de reais. A companhia, responsável pelo vazamento de cerca de 3 mil barris de óleo em novembro no Campo de Frade, na Bacia de Campos (RJ), descumpriu condições previstas da licença ambiental.

A análise feita pelo Ibama mostrou falhas no cumprimento do Plano de Emergência Individual (PEI) aprovado no licenciamento ambiental da atividade de exploração e extração de petróleo. Entre os problemas observados estão a ausência de equipamentos nas embarcações de emergência e a demora no atendimento inicial ao vazamento.

A petrolífera rebateu, porém, as alegações do órgão ambiental. Em nota, a empresa diz que o plano aprovado foi colocado em prática de maneira correta e no tempo adequado. “Em apenas quatro dias, um período considerado excelente por especialistas do setor, a Chevron conseguiu controlar a fonte do vazamento, iniciando o processo de monitoramento do fluxo proveniente das linhas de afloramento, que agora está reduzido a gotas intermitentes”, diz o comunicado.

Essa foi a segunda multa da Chevron aplicada pelo Ibama devido ao vazamento de petróleo de 8 de novembro. A punição inicial foi de 50 milhões de reais.

A empresa teve todas as atividades no País suspensas pelas autoridades brasileiras, além de responder por diversas ações no Ministério Público. Em uma delas, o MPF em Campos, no Rio de Janeiro, pede que a Chevron e a empresa contratada, Transocean, paguem 20 bilhões de reais pelos danos ambientais e sociais causados pelo derramamento de óleo no Campo de Frade.

Com informações Agência Brasil.

registrado em: ,