Você está aqui: Página Inicial / Política / Haddad sobe o tom contra Russomanno

Política

Eleições 2012

Haddad sobe o tom contra Russomanno

por Redação Carta Capital — publicado 24/09/2012 16h39, última modificação 24/09/2012 16h42
Pela primeira vez desde o início da campanha, petistas levam ao ar peças contra o líder nas pesquisas
haddadrusso

Propaganda de Haddad critica Russomanno. Foto: Reprodução

O candidato petista à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, levou ao ar no fim de semana as primeiras críticas mais pesadas contra Celso Russomanno (PRB). Foram os primeiros ataques na propaganda do petista na televisão ao candidato líder nas pesquisas desde o início da campanha. Apesar de Russomanno ser líder nas pesquisas, até agora todas as críticas diretas na propaganda de Haddad na televisão se direcionavam a José Serra (PSDB), com quem ele disputa uma vaga no segundo turno.

Em uma das inserções, um narrador critica a tarifa proporcional no transporte público, proposta por Russomanno. Em seu site, o candidato do PRB propõe “estabelecer valor mínimo e máximo ao usuário do sistema de transporte de ônibus, onde será pago apenas o percurso utilizado.”

Na propaganda, outro narrador diz que os mais prejudicados serão as pessoas que moram distantes do centro da cidade. “Russomanno quer que a prefeitura gaste dinheiro com quem menos precisa. Por que a proposta dele não ajuda os mais pobres? Não é por mal, é falta de experiência.”

Em outra propaganda, um amigo fala para o outro que ele deveria ser candidato à prefeitura de São Paulo. “Será que eu vou conseguir cuidar de uma cidade do tamanho de São Paulo?”, pergunta um deles na mesa de bar. “É só você falar que entende de compra de eletrodoméstico, troca de mercadoria, garantia", responde o outro. A propaganda ridiculariza a postura de Russomanno como defensor do consumidor.

Fora da tevê, Serra, Haddad e Gabriel Chalita (PMDB) já haviam comparado Russomanno ao ex-prefeito Celso Pitta em propagandas no rádio. Apoiado pelo então prefeito Paulo Maluf, Pitta se elegeu prefeito em 1996 e chegou a ser afastado do cargo por denúncias de corrupção.