Você está aqui: Página Inicial / Política / Familiares de vítimas da ditadura pedem a Lula um 'Wikileaks brasileiro'

Política

Cidadania

Familiares de vítimas da ditadura pedem a Lula um 'Wikileaks brasileiro'

por Rede Brasil Atual — publicado 15/12/2010 17h21, última modificação 16/12/2010 10h52
Após a divulgação da sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos condenando o Brasil por não investigar os crimes da repressão na guerrilha do Araguaia, os peticionários consideram reaberto o debate sobre o direito à informação e à verdade
Familiares de vítimas da ditadura pedem 'Wikileaks brasileiro'

Após a divulgação da sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos condenando o Brasil por não investigar os crimes da repressão na guerrilha do Araguaia, os peticionários consideram reaberto o debate sobre o direito à informação e à verdade. Por Anselmo Massad

Anselmo Massad, Rede Brasil Atual

Um "Wikileaks brasileiro" é uma das formas que familiares de vítimas da ditadura militar no país usaram para expressar a demanda de abertura dos arquivos mantidos pelas Forças Armadas sobre o período. Após a divulgação, na terça-feira (14), da sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos condenando o Brasil por não investigar os crimes cometidos pelo Estado na repressão à guerrilha do Araguaia, os peticionários consideram reaberto o debate sobre o direito à informação e à verdade.

"O Lula elogiou o Wikileaks. Por que não abre o nosso wikileaks?", disparou Criméia Almeida, da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos, atualmente com 63 anos, companheira de André Grabois, morto no Araguaia. Ela revela ter recebido com satisfação a sentença da Corte, ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA).

A declaração de Criméia faz alusão ao site que vazou documentos secretos do governo dos Estados Unidos. Ela ironizou a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defendeu a iniciativa por duas vezes na última semana, alegando defesa da liberdade de expressão e de imprensa.

A crítica direta ao governo Lula deve-se ao fato de que a gestão dele não promoveu, a exemplo dos governos civis anteriores, qualquer forma de investigação efetiva ou abertura de arquivos da Ditadura.

A representante da Comissão participou, na manhã desta quarta-feira (15), de uma entrevista coletiva em São Paulo ao lado de membros dos dois demais peticionários da ação, que tramitou na Corte por 15 anos. O Grupo Tortura Nunca Mais e o Centro Pela Justiça e o Direito Internacional (Cejil) assinaram o pedido com base em acordos internacionais firmados pelo país em 1992 e no reconhecimento da instância em 1998.

registrado em: