Você está aqui: Página Inicial / Política / Explosão em prédio mata 3

Política

Rio de Janeiro

Explosão em prédio mata 3

por Agência Brasil publicado 13/10/2011 09h46, última modificação 13/10/2011 14h39
O acidente foi causada pelo vazamento de gás de um botijão no restaurante Filé Carioca. Cozinheiro está entre os mortos

Por Thais Leitão*

Rio de Janeiro - Pelo menos três pessoas morreram e dez ficaram feridas, na manhã da quinta-feira 13, vítimas de uma explosão em um prédio na Praça Tiradentes, no centro do Rio de Janeiro, segundo o Corpo de Bombeiros. O edifício, que abriga residências e estabelecimentos comerciais, teve a fachada bastante danificada. Os feridos foram levados para o Hospital Municipal Souza Aguiar.

José de Castro tomava café em bar do outro lado da rua quando ouviu a explosão. “Foi horrível, vi pessoas sendo arremessadas até a Praça Tiradentes. A sorte é que o sinal estava fechado e não estavam passando ônibus nem carros, senão a destruição seria maior”, disse.

No local da explosão, muito entulho e vidros quebrados ocupam a calçada. As ruas do entorno foram interditadas.

De acordo com o comandante da Guarda Municipal do Rio, coronel Lima Castro, disse, depois de ouvir testemunhas, que a explosão foi causada pelo vazamento de gás de um botijão no restaurante Filé Carioca. Segundo ele, embora tivesse os encanamentos necessários para usar a rede de gás natural, o estabelecimento utilizava botijões na cozinha.

Uma das testemunhas reconheceu entre os mortos o cozinheiro do restaurante. Com a explosão, o corpo foi lançado a uma distância de 40 metros, no meio da Praça Tiradentes. De acordo com a testemunha, o cozinheiro foi a primeira pessoa a entrar no restaurante e assim que acendeu as luzes ocorreu a explosão.

Dezessete feridos na explosão ocorrida na Praça Tiradentes foram internados no Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro do Rio. Três estão em estado grave, sendo que um está no centro cirúrgico e outro foi transferido para o Hospital Municipal Miguel Couto, na zona sul da cidade.

Segundo a direção do Souza Aguiar, a transferência ocorreu por problemas de lotação no hospital.

O coronel Lima Castro disse ainda que tanto o prédio de 11 andares onde funcionava o restaurante como os edifícios vizinhos Hotel Formule 1 e o da esquina com a Rua Pedro I já foram evacuados e estão isolados.

Uma equipe do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Rio de Janeiro (Crea-RJ) chegou ao local da explosão para fazer uma vistoria.

Antes da versão da Guarda Municipal sobre o acidente, a empresa Light, concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica na capital fluminense, havia descartado a hipótese de explosão de um bueiro na área do acidente. Mesmo assim, técnicos da empresa foram ao local para avaliar a necessidade de interrupção do fornecimento de energia na região.

*Colaborou Vitor Abdala

*Matéria publicada originalmente em Agência Brasil

registrado em: