Você está aqui: Página Inicial / Política / Explicitação partidária da imprensa nessas eleições

Política

Sócio Capital

Explicitação partidária da imprensa nessas eleições

"... No Brasil se instalou um novo partido político um pouco diferente dos convencionais: a imprensa", afirma nosso leitor Elias Botelho
por Coluna do Leitor — publicado 21/11/2010 08:00, última modificação 22/11/2010 11:10
Comments

Nosso leitor, Elias Botelho discorre sobre o papel da imprensa no processo eleitoral

Elias Botelho*

Não tem mais como negar que no Brasil se instalou um novo partido político um pouco diferente dos convencionais: a imprensa. Ainda não oficializaram o seu registro no TSE, mas nem sei se precisa tal regularização ou se prefere viver apenas como fachada de uma instituição social. A mídia, nessas eleições, demonstrou de uma vez por toda que  é um partido político de direita, talvez, raivoso e radical.

 A imprensa é livre e assim será. O homem é livre e assim será. Ambos podem agir ao seu talante. A diferença, pois, é que os humanos quando praticam algum tipo de delito podem ser compelidos a pagar uma pena. O que faz do homem, um ser sociável, refletir duas vezes antes de destilar  seu ódio em face de alguém. A mídia, ao contrário dos humanos, pensa um pouco diferente, sabe que pode ser chamada a responder por atitudes impertinentes e desprovidas de inverdades, mas prefere ironizar e desdenhar ao som de uma modinha popular: "tô nem aí, tô nem aí...”

Mesmo assim, vestida num manto visível da liberdade de expressão e o direito a informação, diz o que bem entende, parcializa e achincalha pessoas inocentes ou não. Age assim, imagino, porque adotamos no Brasil o "no law", - sem regulamentação. Sempre achei que a liberdade de expressão, não coaduna, em parte, com quem explora comercialmente a mídia em geral. Aí, me lembro de um velho aforismo: "onde há dinheiro, há maldade".

Nem é preciso enumerar as ações que demonstram o partidarismo da grande maioria da imprensa e radiodifusão. O jornal “O Estado de S. Paulo”, por exemplo, dentre os grandes veículos de comunicação é o que, quiçá, não teve vergonha de mostrar claramente que é partidário. Suas publicações não deixaram dúvidas de que tem lado.

As organizações Globo, a revista Veja e outros, ainda tentam camuflar suas preferências partidárias. Esse fenômeno não é novo. No passado tais preferências derrubaram políticos importantes e até levaram ao suicídio Getúlio Vargas. Não pouparam lideranças como João Goulart e JK. Lembre-se, ainda, deram apoios incondicionais a todos os golpistas da época.

O que mais impressiona, são bons profissionais do ramo que acabam por defender os mesmos princípios ideológicos dos patrões. Infelizmente, Isso parece acontecer, em todas as formas de governos: timocrático, democrático, fechado, aberto, etc.

Assim, o que vimos nessas eleições de 2010, não deixam dúvidas quanto a explícita  demonstração de partidarização da grande mídia, pelo menos, em relação ao governo Lula. Não aceitam a idéia de que o Brasil vem mudando de fato. Não se sabe ao certo, mas há quem diga que a rapidez com que as mudanças estão acontecendo no país, parece ameaçar pequenos oligopólios detentores da mídia. Isso não é só no jeito de governar da esquerda, mas ainda pelo surgimento de novos meios de comunicação como a Internet, Celular e TV por assinatura que vêm demonstrando uma nova forma de interação, principalmente, para aqueles que não tinham acesso ao mundo da informação. 

O que existe hoje é uma contradição entre a vontade da mídia raivosa e o sentimento do povo brasileiro em relação a sua nova condição de vida. Oito anos do governo Lula, a imprensa ideológica foi oposição de forma velada. Não se valeu apenas da liberdade de expressão prevista em nossa Constituição, que é produzir idéias para que o público forme sua opinião. Foi além. Apelou de todas as formas, mas não teve jeito. Deve, a partir de agora, repensar num novo modelo de difundir pensamentos e idéias. Já não enganam mais.

Afinal, o que ficou claro até agora, é o que alguns estudiosos já aclamaram: “a verdade sempre triunfa sobre a perseguição”. O que parece certo e valeu para a sociedade, foi o que ela pode enxergar e, não o que tentaram mostrar.

 *Elias Botelho é advogado e escritor

registrado em:

Comentários

Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

comentários do blog alimentados pelo Disqus
JBS, negócio suspeito

JBS, negócio suspeito

Edição Atual | Anteriores

 

Índices Financeiros
Moedas
Dolar Comercial +0.00% R$0,000
Dolar Paralelo +0.00% R$0,000
EURO +0.00% R$0,000
Bolsas
Bovespa +1,03% 56789
Nasdaq +1,03% 12340
Frankfurt +1,03% 38950

Especial Haiti

Diálogos Capitais