Política

Erundina se reúne com líderes do PSB para discutir candidatura em São Paulo

por Redação Carta Capital — publicado 19/06/2012 16h58, última modificação 19/06/2012 17h50
O apoio de Maluf a Haddad (PT) não foi bem recebido por Erundina, que pode desistir de ser vice do petista
Haddad01

Haddad ao fundo, Lula e Maluf na casa do deputado federal, nesta segunda-feira 18. Foto: Rodrigo Coca/Fotoarena/Folhapress

A deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP), anunciada na semana passada como candidata a vice-prefeita de São Paulo na chapa de Fernando Haddad (PT), se reúne nesta terça-feira 19 em Brasília com integrantes da cúpula do PSB para decidir se mantém seu nome na disputa. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, presidente nacional do PSB, e o ex-ministro Roberto Amaral são duas das figuras que encontrarão Erundina. De Brasília, Eduardo Campos vai ao Rio de Janeiro, onde encontrará Lula. Lá, os dois caciques devem voltar a debater a participação de Erundina na campanha.

A posição da deputada causou polêmica na segunda-feira 18, uma vez que ela demonstrou incerteza quanto à permanência na campanha petista. As dúvidas de Erundina surgiram depois que o PP, de seu antigo rival Paulo Maluf, confirmou apoio à candidatura de Haddad. A aliança foi anunciada com pompa na casa de Maluf, em cerimônia que contou com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em entrevista publicada pelo site do jornal O Globo no início da noite de segunda-feira, Erundina deu a entender que estava fora da campanha de Haddad pois não aceitava a aliança com Maluf. Na entrevista, a deputada disse que a situação é muito constrangedora. “Vou conversar com o meu partido. Meu partido tem outros nomes, não tem problema nenhum. Mas eu não aceito”.

Na manhã desta terça-feira, a rádio Brasil Atual publicou entrevista com Erundina na qual ela dizia uma outra coisa. Erundina lamentava a aliança com Maluf, mas dizia que a candidatura estava confirmada. "Não sou de recuar. Vou manter a decisão, porque é uma decisão partidária. Vou me empenhar e fazer o melhor que puder para dar minha contribuição, mas vou procurar demarcar campos. De um lado está o seu Maluf; de outro lado estaremos nós e os setores da sociedade que não concordam, ao meu ver, com essa aliança”, disse Erundina.

Com a entrevista à rádio, ficou a impressão de que Erundina havia, durante a noite, modificado sua posição. Nesta terça, a rádio Brasil Atual esclareceu que a entrevista de Erundina, na verdade, foi ao ar ao vivo às 16 horas de segunda-feira (e reproduzida na manhã desta terça), portanto antes de ela falar ao jornal O Globo. Assim, se prevalece a última posição de Erundina, é aquela dada ao jornal O Globo, a de que não quer mais ser candidata ao lado de Haddad se ele mantiver o apoio de Maluf.

A postura de Erundina nesta semana causou estranheza. Na semana passada, ela aceitou sua candidatura a vice quando já se tinha conhecimento da possibilidade de aliança entre o PP e o PT. Na ocasião, ela disse que Maluf não pautaria o projeto político da coligação. “Ele não é prefeito nem vice-prefeito. Quem vai governar conosco é o povo”.

Líderes do PT e do PSB dizem que as declarações de Erundina foram uma surpresa e que ela não falou diretamente aos partidos sobre a sua posição. Em entrevista à Band na noite de ontem, Haddad disse que ainda não havia falado com ela e a procuraria para mantê-la na chapa.

registrado em: ,