Você está aqui: Página Inicial / Política / Dilma convence Marta a desistir da candidatura à prefeitura de São Paulo

Política

Eleições 2012

Dilma convence Marta a desistir da candidatura à prefeitura de São Paulo

por Redação Carta Capital — publicado 02/11/2011 11h14, última modificação 02/11/2011 11h34
Presidenta pede que Marta deixe a disputa pela prefeitura de São Paulo e abre caminho para os planos do presidente Lula para as eleições municipais
marta suplicy

Sem apoio dentro do PT e com o pedido de Dilma, Marta abrirá espaço a Fernando Haddad. Foto: Renato Araújo/ABr

Diante de um pedido da presidenta Dilma Rousseff na última segunda-feira 31, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) deve recuar na disputa pela candidatura à prefeitura de São Paulo das eleições municipais de 2012. Sem apoio do próprio PT e agora com pedido oficial da presidenta, Marta deve anunciar ainda esta semana que não prosseguirá à prévia do partido que deverá escolher o candidato da legenda à prefeitura paulistana. O ministro da Educação Fernando Haddad deve ser o nome petista para o pleito paulistano.

A notícia veio a público por meio da secretaria de Comunicação Social do governo. A ministra Helena Chagas falou à imprensa da ação entre Lula e Dilma para uma saída honrosa para a senadora Marta. "Dilma fez um apelo, afinada com o presidente Lula, para que Marta desista da candidatura", afirmou Helena.

Marcelo Freixo deixa o País criticando governo do RJ
Lula recebe alta em São Paulo
Brasil vira chacota por sua conivência com seus torturadores

O ex-presidente Lula era o interlocutor petista para convencer Marta a não entrar na disputa com Haddad. Depois de receber o diagnóstico de câncer na laringe, a própria Dilma Rousseff ficou com a incumbência.

Na última quinta-feira 27, quando comemorava seu aniversário em São Paulo, o ex-presidente teria dito que ele mesmo falaria com Marta, pedindo para que ela não disputasse mais a candidatura à prefeitura da capital paulista. “Ela vai sair na hora certa".

Tanta manobra se deve ao fato de o ex-presidente cogitar a entrada do atual ministro da Educação, Fernando Haddad, na corrida eleitoral do ano que vem. Haddad, que vem aparecendo em eventos ao lado do ex-presidente, é o preferido de Lula ainda que na pesquisa Datafolha divulgada no início do mês de setembro, o eleitorado paulistano tenha colocado a ex-prefeita da cidade em primeiro lugar nas simulações do instituto de pesquisa, na frente de todos os adversários. Por outro lado, no mesmo estudo, 40% dos eleitores se mostraram dispostos a votar no candidato apresentado pelo ex-presidente.

Nem Marta e nem os outros pré-candidatos à prefeitura pelo PT enfrentariam Lula nessa decisão, tal a popularidade e respeito que ele acumulou desde 2000 e pela credibilidade que conquistou, levando a então candidata Dilma Rousseff à presidência da República em 2010, numa transferência de poder horizontal (para o mesmo cargo) e agora, novamente, numa tentativa de transferência vertical, levando Haddad à candidatura e quem sabe à vitória na disputa.

Falta agora enfrentar os outros três pré-candidatos do PT, Carlos Zarattini, Eduardo Suplicy e Jilmar Tatto, que sinalizam não desistir do páreo interno do PT. Sem falar ainda dos próximos passos para a composição da chapa. Confirmada  a desistência de Marta, fica aberto o caminho para a escolha do vice de Haddad. Que seria uma espécie de novo José Alencar, mas da prefeitura de São Paulo, para conquistar o eleitorado das classes A e B, reduto do PSDB há mais de 15 anos.

registrado em: