Você está aqui: Página Inicial / Política / Dilma: Brasil não vai pagar por crise que não é dele

Política

Dilma: Brasil não vai pagar por crise que não é dele

por Redação Carta Capital — publicado 14/10/2011 15h39, última modificação 16/10/2011 10h05
Na avaliação da presidenta, países que enfrentam dificuldades financeiras passam por processo semelhante ao da dívida brasileira, a partir de 1982

Por Yara Aquino*

Ao discursar nesta sexta-feira 14 em Porto Alegre, a presidenta Dilma Rousseff disse que o Brasil não irá pagar por uma crise financeira gerada por outros países e que é preciso ter a “humildade de cooperação” com os que estão enfrentando o problema.

“Não, não vamos deixar que o Brasil pague por uma crise que não é dele”, destacou durante o discurso de assinatura do Plano Brasil sem Miséria com governadores da Região Sul.

A presidenta citou o Fundo Monetário Internacional (FMI), ao lembrar que o país passou de devedor a credor do fundo e disse que possivelmente o Brasil terá maior participação na instituição e, assim, não aceitará que alguns critérios que foram impostos pelo FMI ao Brasil, no passado, sejam impostos a outros países.

Dilma reiterou também que a maior arma do país para enfrentar a crise é a força do mercado interno. "Como nossa raiz está no nossos mercado interno, nossa capacidade de resistência é muito elevada”, disse.

Na avaliação de Dilma, países que enfrentam dificuldades financeiras passam por processo semelhante ao da dívida brasileira, a partir de 1982. “Vivemos nossa crise da dívida soberana e aprendemos muito com o que foram duas décadas sem crescimento.”

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), o programa vai buscar retirar 716 mil pessoas da miséria no Sul do país. Os três estados da região – Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina – têm 61% da população mais pobre concentrada na área urbana.

*Matéria publicada originalmente na Agência Brasil

registrado em: ,