Você está aqui: Página Inicial / Política / Decepção e fé cega

Política

Brasil

Decepção e fé cega

por Cynara Menezes — publicado 03/10/2010 01h05, última modificação 04/10/2010 16h09
Além dos custos eleitorais do caso Erenice Guerra, Dilma Rousseff enfrentou a boataria cristã, base da onda que deu quase 20% dos votos a Marina Silva
materia_2

Na reta final, a campanha petista tentou conter os estragos dos boatos religiosos. Sem sucesso

Além dos custos eleitorais do caso Erenice Guerra, Dilma Rousseff enfrentou a boataria cristã, base da onda que deu quase 20% dos votos a Marina Silva

Nem onda vermelha, como queriam os dilmistas, nem onda verde, como pregava Marina Silva, muito menos verde e amarela, como afirmou José Serra na última hora. O que empurrou a eleição presidencial para o segundo turno foi uma onda cristã. As denúncias a envolver Erenice Guerra, sua sucessora na Casa Civil, estancaram o crescimento de Dilma Rousseff nas pesquisas, mas pesou também uma forte reação conservadora na reta final. O escândalo Erenice e a força da fé, esta mal captada pelos institutos de pesquisa por ter  ocorrido no fim do processo eleitoral, foram dois fatores a encolher a votação da candidata governista, diante do que previam as enquetes. No total de votos válidos, Dilma Rousseff nem sequer atingiu os 47%.

A cruzada religiosa contra a ex-ministra, causada pela insegurança em relação à sua posição sobre o aborto, entre outros boatos vinculados à fé, beneficiou  diretamente a candidata do PV, que chegou aos 20% dos votos válidos menos por seu discurso “sustentável” do que pelo fato de ser evangélica, adepta da Assembleia de Deus.

Marina não só catalisou a migração dos votos evangélicos para sua candidatura como soube faturar com a queda da adversária nos segmentos mais religiosos do eleitorado. Enquanto a boataria contra Dilma corria solta na internet, na quintafeira 30 a ex-ministra do Meio Ambiente cobraria publicamente a petista por ter “mudado de posição” em relação ao aborto. “Ela já disse que era favorável e depois mudou de posição”, alfinetou. “Eu não faço discurso de conveniência.”

*Confira este conteúdo na íntegra da edição 616, já nas bancas.

registrado em: