Você está aqui: Página Inicial / Política / Caem os índices de popularidade e aprovação do governo Dilma

Política

CNI/Ibope

Caem os índices de popularidade e aprovação do governo Dilma

por Redação — publicado 27/03/2014 11h54, última modificação 27/03/2014 12h12
Em três meses, a presidenta perde apoio em todos os estados, sobretudo entre jovens, ricos e moradores do interior

A quatro meses da largada oficial para as eleições, pesquisa CNI/Ibope, divulgada desta quinta-feira 27, aponta uma queda na aprovação e na popularidade da presidenta Dilma Rousseff em relação ao final do ano passado. De novembro de 2013 a março de 2014, o percentual da população brasileira que considera o governo Dilma ótimo ou bom caiu sete pontos: de 43% para 36%. O índice dos que avaliam a administração como ruim ou péssima subiu de 20% para 27%. A diferença, portanto, entre os que avaliam o governo como ruim e os que avaliam como bom encurtou: era de 23 pontos percentuais em novembro e chegou agora a 9 pontos.

O instituto ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios para a pesquisa. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Houve queda de pelo menos 4 pontos no índice de ótimo/bom em todos os estados, mas ela foi mais acentuada nos municípios pequenas (com até 20 mil habitantes), de 59% para 44%. A queda também foi mais expressiva entre os eleitores mais jovens, de 16 a 24 anos, e com renda familiar mais elevada (acima de 5 salários).

Seguindo a tendência, o índice dos que aprovam o governo da presidenta caiu de 56% para 51%. O percentual dos insatisfeitos saltou de 36% para 43%.

A parcela da população que confia na presidenta caiu de 52% para 48%. O índice é praticamente o mesmo dos que dizem desconfiar da petista: 47% (era 41% em novembro). Entre os jovens, apenas 38% dizem confiar na presidenta (dez pontos a menos do que há três meses). Entre os com renda superior a cinco salários mínimos, a queda foi de 13 pontos: de 47% para 34%.

A depender das áreas de atuação do governo, a reprovação dos brasileiros é superior ao índice de aprovação. O índice de insatisfação chega a 77% na área de saúde e em relação aos impostos, 76% para a segurança pública, 73% para a taxa de juros, 71% para o combate à inflação, 65% para educação, 57% para as políticas de combate ao desemprego (dez a mais do que em novembro), 54% para as ações relacionadas ao meio ambiente. Na área de combate à fome e à pobreza, metade da população (48%) diz aprovar a atuação do governo, contra 49% que dizem desaprovar.

Ainda segundo a pesquisa, 42% da população acha que o governo Dilma é pior do que o de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva (o índice era de 34% há três meses).

Quando questionados mais lembrados sobre o governo Dilma, os entrevistados respondem, na ordem: manifestações (21%), Copa do Mundo (18%) e corrupção não ligada diretamente ao governo federal (9%). A economia aparece entre os cinco principais assuntos relacionados (6%). Paralelamente, as noticias que mais chamaram a atenção dos entrevistados durante o período foram sobre as obras para a Copa, as manifestações, manifestações sobre corrupção e a cobertura sobre o “mensalão”.