Você está aqui: Página Inicial / Política / Caetano Veloso: "Sentirei orgulho de ver Marina presidente"

Política

Eleições 2014

Caetano Veloso: "Sentirei orgulho de ver Marina presidente"

por Redação — publicado 30/08/2014 15h32
Cantor e compositor usou seu perfil no Facebook para divulgar texto de apoio à candidata do PSB na manhã deste sábado, 30. Leia a íntegra
Reprodução/Facebook

Botão Eleições 2014"MARINA PRESIDENTE." Quanta coisa se mexe com esse grito! A segunda mulher presidente e -- detalhe de grande força que não tem sido lembrado -- o primeiro postulante de pele escura. Com seus elegantes traços, resultado óbvio da mistura de cafusos com mamelucos, Marina, além de vir do coração da Amazônia (onde a lei faz quase desesperados esforços para instalar seu império), da luta ao lado de Chico Mendes, da fase heróica do PT, ela significará a chegada de evidentes fenótipos negros no posto da Presidência da República. Isso não é pouco.

Sentirei orgulho (todos sentiremos coisas diferentes sobre o Brasil) ao ver seu rosto representando nosso País nas imagens que se espalharem pelo mundo. Mas há mais. Muito mais. O tom digno com que Marina mantém, desde sua última tentativa eleitoral majoritária, a determinação de levar à frente os avanços conquistados por FH e Lula. A coerência íntima com que ela se manifesta ao longo dos anos (que é diferente do mero repetir a mesma coisa).

Sou dos que sempre quiseram que o País aproveitasse o que essa sucessão de lutadores pela democracia nos legou. Eu já disse em entrevista que, diferentemente de alguns amigos esquerdistas, não tenho rejeição pelos economistas de base liberal que se acercam de Marina.

Pelo contrário, dado o conteúdo do primeiro livro de Eduardo Gianetti, Vícios privados, benefícios públicos?, em que o ponto de interrogação define o liberalismo crítico que se expande pelas páginas que não deixam de lado nem mesmo o suspeito desprezo da filosofia europeia pelo homem tropical, e também dos últimos escritos de André Lara Resende, em que a obsessão com o crescimento perene é posta em cheque, não vejo por que jogar fora a liderança de uma mulher com esse histórico sobre técnicos que são também pensadores.

Vou votar em Marina como votei em Lula em 2002. E, mais, como votei em Marina em 2010. Chorei na cabine no momento Lula (havia toda a simbologia da chegada dele à presidência e demasiadas complexidades em minha vida). Senti felicidade ao votar em Marina em 2010: saber que contribuía para fazer forte a marca de sua presença no imaginário nacional!

Agora, vejo o momento Marina. Irresistível. Cheio de promessas e insinuações. É a sociedade brasileira se movimentando para crescer com dores suportáveis. O que está à nossa frente é a nossa respeitabilidade como nação. Recusar isso seria estar cego para toda luz."