Você está aqui: Página Inicial / Política / Avaliação positiva do governo Dilma aumenta 6 pontos percentuais

Política

Pesquisa

Avaliação positiva do governo Dilma aumenta 6 pontos percentuais

por Redação — publicado 13/12/2013 13h01, última modificação 13/12/2013 13h01
A aprovação chegou a 43%, mas segue bem abaixo da que Dilma tinha antes das manifestações de junho
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Dilma Rousseff

Dilma durante discurso na Fiesp, em São Paulo, nesta sexta-feira, durante encontro com o presidente da França, François Holland

Conteúdo
Confira a íntegra da pesquisa CNI / Ibope de novembro

Uma nova rodada da pesquisa CNI Ibope divulgada nesta sexta-feira 13 mostra que a avaliação positiva do governo Dilma Rousseff deu um salto de seis pontos percentuais entre setembro e novembro. No mesmo período, o percentual da população que confia na presidenta se manteve estável e a aprovação pessoal dela oscilou para cima dentro da margem de erro.

De acordo com os dados, em novembro 43% dos entrevistados classificaram o governo como bom ou ótimo, enquanto em setembro eram 37%. O número ainda segue muito distante dos 63% registrados em março, que despencaram para 31% em julho, após um mês de intensas manifestações populares pelo Brasil. A quantidade de pessoas que avaliam o governo como ruim ou péssimo, que era de apenas 7% em março e foi a 31% em julho, chegou a 20% em novembro (em setembro era de 22%). A avaliação "regular" do governo foi de 39% em setembro para 35% em novembro.

A quantidade de pessoas que aprova a maneira de governar de Dilma passou de 54% em setembro para 56% em novembro. O índice também está muito abaixo dos 79% que ela desfrutava antes das manifestações. Os que desaprovam Dilma pessoalmente são 36% dos entrevistados, antes 40% registrados em novembro.

O índice de confiança em Dilma Rousseff se manteve estável em 52% entre setembro e novembro, enquanto o índice de desconfiança oscilou de 43% para 41%, dentro da margem de erro da pesquisa. Antes das manifestações, 75% diziam confiar na presidenta, enquanto 22% diziam não confiar.

Saúde, impostos e segurança

Das nove áreas de atuação avaliadas na pesquisa, houve melhoras significativas na aprovação ao governo em sete. Em duas delas ("combate à fome e à pobreza" e "impostos") os percentuais oscilaram dentro da margem de erro.

A maior alta positiva do governo foi na avaliação do "combate ao desemprego", que subiu de 39% para 47% entre setembro e novembro. A segunda melhor foi na área de "educação", de 33% para 39%.

Apesar da avaliação positiva do governo e da melhora na avaliação das áreas individuais, apenas a área "combate à fome e à pobreza" têm índice de aprovação superior ao de reprovação: são 53% contra 45%. Em "meio ambiente" há um empate (em 47%) entre os que aprovam e os que desaprovam e em "combate ao desemprego" a diferença está na margem de erro (49% a 47%). Nos outros itens pesquisados são grandes os índices de desaprovação. Pela ordem: "saúde" (72%), "impostos" (71%), "segurança pública" (70%), "taxa de juros" (65%), "combate à inflação" (63%) e "educação" (58%).

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas, entre os dias 23 de novembro e 2 de dezembro, em 727 municípios. O levantamento tem margem de erro de 2 pontos percentuais.