Você está aqui: Página Inicial / Política / Após negociação, operários de Jirau retornam às atividades

Política

Conflitos trabalhistas

Após negociação, operários de Jirau retornam às atividades

por Rede Brasil Atual — publicado 12/04/2011 09h16, última modificação 12/04/2011 09h40
Em visita a Rondônia, o ministro Carlos Lupi colheu denúncias sobre condições de trabalho e participou de reunião com comissão da CUT. Por Leticia Cruz

Os trabalhadores da usina Jirau, em Rondônia, aprovaram em assembleia segunda-feira 11 as propostas emergenciais obtidas em negociação entre sindicalistas e a construtora Camargo Corrêa. O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, esteve em Jirau e Santo Antônio para inspecionar as obras. Os operários estavam há 26 dias em paralisação em protesto contra más condições de trabalho.

Eles retornaram ao canteiro de obras com a condição de 5% de antecipação salarial, aumento para R$ 132 no valor da cesta básica e direito de licença de cinco dias a cada três meses trabalhados com passagens de avião até as capitais. Há ainda alteração da empresa que garante o auxílio-alimentação, além de opção de plano de saúde, e abono de 50 horas aos trabalhadores alojados e que continuaram realizando manutenção no período em que a obra permaneceu parada.

A proposta foi negociada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Confederação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores da Indústria da Construção Civil e Madeira (Conticom) e pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil de Rondônia (Sticcero). O secretário de Administração e Finanças da CUT, Vagner Freitas, alerta que, a exemplo da decisão dos trabalhadores em Santo Antônio no último dia (4), o retorno ao trabalho pode ser temporário caso as construtoras não cumpram o acordo. “Voltaremos ao confronto se não houve disposição em negociar melhoras nas condições de trabalho”, disse.

Ele também lembra o Pacto Nacional da Construção Civil, em negociação com o governo. “Queremos um protocolo com regras para definir condições de contratação, alojamento, folga para retorno ao lar, jornada de trabalho pagamento de horas extras", pontuou.

Durante a visita, Lupi recebeu relatos e denúncias a respeito das condições de trabalho. Os problemas serão pauta de reunião entre o ministro e a CUT ao final do dia.

Os trabalhadores de Santo Antônio também aprovaram propostas semelhantes às de Jirau, negociadas com a construtora Odebrecht, CUT e sindicatos ligados à construção civil.

*Matéria publicada originalmente na Rede Brasil Atual .

registrado em: