Você está aqui: Página Inicial / Política / Após 12 dias, PM baiana encerra a greve

Política

Bahia

Após 12 dias, PM baiana encerra a greve

por Redação Carta Capital — publicado 12/02/2012 09h14, última modificação 06/06/2015 18h21
Enfraquecidos, grevistas tiveram a garantia de que não serão punidos pelos atos, mas não conseguem o reajuste reivindicado
Agência Brasil - ABr - Empresa Brasil de Comunicação - EBC

Soldados do Exército fazem a segurança da área em torno da Assembleia Legislativa do Estado, ocupada por policiais militares em greve desde a semana passada. Foto: Agência Brasil

Em assembleia realizada na noite de sábado 11, os policiais militares da Bahia decidiram encerrar a greve que já durava 12 dias.

A expectativa é que eles voltem ao trabalho neste domingo 12. Um dos motivos para a decisão foi o enfraquecimento da mobilização no interior do estado, onde soldados haviam reassumido seus postos.

A assembléia aconteceu após uma reunião entre os grevistas e o comando da Polícia Militar baiana. Os líderes deixaram a reunião com a garantia de que os grevistas não seriam punidos em razão da paralisação.

O governo baiano, no entanto, venceu a queda de braço: não haverá reajuste superior a 6,5%.

 

Sem canais de interlocução no governo nem apoio da população, o movimento perdeu força ao longo da última semana, quando foi divulgada uma interceptação telefônica que comprometi o líder do movimento gevista, Marco Prisco, presidente da Aspra (Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia).

Acusado de incitar atos de vandalismo durante a greve, ele está preso desde a quinta-feira 9.

Em 12 dias de greve, 157 pessoas foram assassinadas na capital, Salvador, e região metropolitana. Assombroso, o número é quase o dobro do índice de homicídios registrados na localidade em condições “normais”.

Segundo o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa, Arthur Gallas, a tragédia não ocorre por acaso. Em declaração ao jornal Folha de S.Paulo, ele acusou supostas milícias bancadas por comerciantes para manter a ordem na periferia de estarem por trás desses assassinatos. Os crimes acontecem, segundo ele, no vácuo do policiamento provocado pela greve.

“Esses grupos estão se aproveitando da greve, que reduziu o policiamento, para ‘limpar’ a área e matar quem estava incomodando”, disse Gallas ao jornal.

De acordo com a reportagem, os alvos são usuários de drogas, moradores de rua e desafetos das milícias que antes controlavam as áreas mais violentas.

A suspeita é que os grupos paramilitares operem sob proteção das próprias polícias de Salvador.

registrado em: , , , ,