Você está aqui: Página Inicial / Política / A Presidenta

Política

Andante Mosso

A Presidenta

por Mauricio Dias publicado 27/03/2012 12h06, última modificação 06/06/2015 18h27
Maurício Dias questiona por que a imprensa insiste em chamar Dilma de 'presidente'. Fala também sobre Haddad e o PT nas eleições à prefeitura de SP
AgenciaBrasil160212ANT_5187

Lã Caprina. E por que não presidenta?

A presidenta

Por que a imprensa chama naturalmente de “ministras” as nove mulheres,  25% dos 37 ministérios do governo?

Chama também de “prefeitas” e “governadoras” as mulheres nesses cargos, mas insiste em identificar Dilma como “presidente”.

Publicamente, ela já disse que gostaria de ser chamada “presidenta”, para homenagear a já longa luta de liberação das mulheres.

Seria isso picuinha infantil ou, mais grave, machismo ou misoginia da mídia, em relação
ao fato de uma mulher presidir o País pela primeira vez?

Curiosa idade

Aos 70 anos, Serra, segundo diz, botou para dormir o sonho da Presidência até 2016. Mantida a palavra, só pensará na eleição de 2018, com 76 anos.

Na história da República, nenhum candidato disputou eleição presidencial, direta ou indireta, tão longevo.

Só Tancredo Neves se aproximou disso. Foi eleito indiretamente, pelo Congresso, aos 75 anos,
mas morreu antes da posse.

É mais um desafio para o tucano. Isso, se ele não acordar do sonho em 2014.

Na gaveta de Gurgel

No fim do mês será eleita a lista tríplice de candidatos à Procuradoria-Geral de Justiça
da Justiça Militar.

Um subprocurador e dois procuradores estão no páreo. Um dos procuradores, Soel Arpini, dá muita dor de cabeça à caserna.

Já provocou a redução da aposentadoria dos generais do STM e, também, denunciou o abuso de deslocar taifeiros para o serviço doméstico na casa dos generais.

Destemido, encaminhou recentemente representação ao procurador-geral da República, contra o foro privilegiado dos generais.

Roberto Gurgel, que fará a escolha a partir da lista tríplice, engavetou a questão.

E se o vencedor for Arpini?

Coisas do Brasil

Liberdade de expressão é uma boa prática democrática que funciona bem no Sul e no Sudeste do Brasil.

No Norte e Nordeste, é um problema para quem tentar exercitá-la.

Que o diga o blogueiro Ailton Medeiros, do Rio Grande do Norte, uma das raras vozes dessa prática democrática.

Medeiros, que desafia a elite política local, foi condenado recentemente por publicar, com exclusividade, uma foto de Bill Clinton em Natal, durante visita que o ex-presidente fez a um shopping.

O atendente que posou com Clinton processou o blogueiro. A Justiça, incontinenti,  puniu-o.

Qual a verdadeira causa da punição?

Wagner Russomano

Ressurgem dois renitentes pré-candidatos à prefeitura de São Paulo e do Rio: Celso Russomano (PRB) e Wagner Montes  (PDT), respectivamente.

Russomano, por exemplo, largou agora com 17% de intenções de voto. Mas, a exemplo de Montes, também emulado por programa radiofônico ou televisivo, nas simulações de 2º turno ele empaca.

Os dois, expressam apenas certo “fogo de palha” do eleitor. Mas isso tem sido suficiente para fazer valer lucrativas negociações políticas.

Paulistanos e o PT

Pesquisas recentíssimas dão sinal de vida à candidatura de Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo.

Mas ele respira por aparelhos.

O deputado Tiririca, incluído na pesquisa, tem o dobro das intenções de voto nele.

Haddad não é o problema. O problema é o PT. A ex-prefeita Marta conta com maior intenção de votos. Tem, porém, maior rejeição.

Com Haddad, Lula vai tentar superar a rejeição paulistana ao partido.

Sopa de siglas

Em dezembro de 2011, após o PGR (procurador-geral da República) Roberto Gurgel, receber autos da PGJM (procuradora-geral da Justiça Militar) Cláudia Luz, no qual um relatório do TCU (Tribunal de Contas da União) aponta envolvimento do CME (Comandante do Exército) Enzo Peri, em contratos fraudulentos do Denit (Departamento Nacional de Infraestrutura
de Transportes) com o DEC (Departamento de Engenharia e Construção do Exército) celebrou-se um “termo de cooperação” entre os citados CNMP (Conselho Nacional
do Ministério Público) e DEC.

Em outras palavras, um convênio entre a raposa e as galinhas.

O Exército fiscalizará tecnicamente obras e serviços de engenharia nas futuras instalações do citado CNMP.

A citada PGJM, Cláudia Luz, que também tem sob guarda um IPM (Inquérito Policial Militar) sobre outros generais envolvidos em fraudes no indigitado Dnit, instalou recentemente a PJM (Procuradoria da Justiça Militar), no Rio, em salas cedidas pelo citado Dnit, na Avenida Presidente Vargas.

Por coincidência, sem dúvida por mera coincidência, as apurações das irregularidades estão travadas

registrado em: ,