Você está aqui: Página Inicial / Política / “Conselho de Segurança com o Brasil seria mais representativo”, diz embaixador da França

Política

ONU

“Conselho de Segurança com o Brasil seria mais representativo”, diz embaixador da França

por Gabriel Bonis publicado 25/04/2013 17h31
Bruno Delaye defende reforma no órgão mais poderoso da ONU e Brasil como membro permanente
onu.jpg-677.html

Conselho de Segurança da ONU. Foto: Don Emmert/AFP

O embaixador da França no Brasil, Bruno Delaye, defendeu nesta quinta-feira 25 a reforma do Conselho de Segurança da ONU e a inclusão do Brasil como membro permanente do órgão. A fala ocorreu em um colóquio internacional sobre o conceito global de responsabilidade dos Estados e da comunidade internacional em proteger seus povos de violações de direitos humanos e genocídios, organizado pelos dois países na Universidade de São Paulo.

“Há vários motivos [para esse apoio], mas achamos que um Conselho [com o Brasil] poderia ser mais representativo, eficaz e legítimo”, disse Delaye. “O Brasil, como uma nação democrática e portadora de valores, com um modelo de desenvolvimento inclusivo, contribuiu muito para as relações internacionais”, completou.

Delaye reforçou uma posição adotada pelo ex-presidente francês Nicolas Sarkozy em 2010. À época, o mandatário defendeu que o Brasil se tornasse membro permanente do órgão, em um momento no qual o país negociava a compra de 36 aviões-caça franceses Rafale.

Sarkozy pediu uma reforma no conselho e a ampliação dos membros permanentes, englobando grandes países emergentes. “Quem pode pensar em resolver os problemas do mundo sem Brasil, Índia ou África?”, disse em 2010. A posição foi reafirmada no final do ano passado pelo ministro das Relações Exteriores Laurent Fabius.

Os membros permanentes do conselho são Estados Unidos, Rússia, China, Inglaterra e França, que têm poder de veto nas decisões do órgão. Ao todo são 15 integrantes.

A expansão das vagas no órgão mais poderoso da ONU é uma demanda de países emergentes que querem mais poder e representatividade. Na última semana, quando esteve no Brasil, a embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, defendeu uma expansão “modesta e pragmática”. Mas disse que os eventuais novos membros do conselho não teriam poder de veto.

Desde o segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil almeja um lugar como membro permanente no Conselho de segurança, para se firmar como uma potência regional na América do Sul. Também disputam uma eventual vaga Alemanha, Japão e Índia.

O Brasil busca o apoio dos EUA, mas nunca o conseguiu oficialmente. Em 2010, o presidente Barack Obama manifestou abertamente apoio às ambições da Índia por um assento permanente para fazer um contraponto à expansão chinesa.

registrado em: ,