Você está aqui: Página Inicial / Política / “Avião estava pegando fogo no ar”, diz testemunha de acidente

Política

Tragédia

“Avião estava pegando fogo no ar”, diz testemunha de acidente

por Renan Truffi publicado 13/08/2014 15h07, última modificação 14/08/2014 17h48
Candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, morreu em acidente aéreo em Santos, no litoral sul de São Paulo
(Foto: Delamonica/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Queda de avião mata Eduardo Campos em Santos (SP)

Local em que caiu o avião com Eduardo Campos, em Santos

Uma moradora de Santos --onde caiu o avião que trazia o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos-- relata que a aeronave já estava pegando fogo no ar antes mesmo da queda. O ex-governador de Pernambuco e pelo menos outras seis pessoas morreram no acidente, na manhã da quarta-feira 13.

A dona de casa Maria Amélia de Melo Cunha, de 62 anos, mora em um prédio a uma quadra do local da tragédia. Ela lembra que foi até a janela por volta das 10 da manhã, assim que ouviu um grande estrondo. Maria Amélia diz que ao olhar para o céu viu parte da aeronave em chamas. “Vi da janela da minha sala o avião passando em cima do prédio pegando fogo”, conta.

Em seguida, Maria Amélia escutou uma forte explosão e correu para a área de serviço de seu apartamento, que tem vista justamente para o local onde caiu o avião. “Ouvi um barulho muito forte, o prédio balançou e todos corremos para a janela. As janelas no primeiro andar do prédio estouraram (com a explosão). Da minha área de serviço dava para ver tudo, porque é uma área de casas baixas, e já se via muita fumaça”, afirma.

A dona de casa foi até a rua interditada pelo Corpo de Bombeiros, que fica próxima ao seu prédio e conta que algumas crianças receberem atendimento médico, pois a aeronave atingiu uma academia no bairro. “Logo chegaram os bombeiros e a polícia, e eles levaram as vítimas para Santa Casa. Teve caso de crianças acidentadas por causa da academia”, lamenta.

O funcionário público Tomaz Teixeira, de 37 anos, trabalha em um prédio a duas quadras da tragédia e conta que, apesar da distância, foi possível sentir um "tremor". "Falamos de brincadeira que a casa iria cair porque é uma construção antiga, de dois andares. Depois as meninas do atendimento disseram que escutaram um barulho de motor e o teto tremeu", explica. "Voltamos a trabalhar normalmente, mas pouco depois veio a notícia".

Segundo os bombeiros, 13 imóveis foram interditados por causa do acidente. A Força Aérea Brasileira confirmou a queda da aeronave Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, que arremeteu quando se preparava para pousar por causa do mau tempo. O núcleo da Base Aérea de Santos confirmou que a equipe de Eduardo Campos aguardava justamente a mesma aeronave.