Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Zelaya é recebido por multidão em sua volta a Honduras

Internacional

Fim do exílio

Zelaya é recebido por multidão em sua volta a Honduras

por Opera Mundi — publicado 29/05/2011 11h33, última modificação 29/05/2011 18h39
Em discurso, líder deposto pediu que acordo assinado com o presidente Porfirio Lobo, que selou a reconciliação, fosse zelado

Centenas de milhares de hondurenhos vindos de todo o país se concentravam desde as primeiras horas do sábado 28 na Praça Isis Obed Murillo, ao sul do aeroporto internacional de Toncontín em Tegucigalpa. Eles esperavam para dar as boas-vindas ao ex-presidente Manuel Zelaya, que regressou ao país passar 16 meses exilado na República Dominicana.

Homens, mulheres, jovens, crianças e idosos lotaram o local. Alguns erguiam as bandeiras vermelhas com as letras da FNRP (Frente Nacional de Resistência Popular) – movimento originado da oposição ao golpe de Estado – minuciosamente preparadas nos últimos dias graças ao incansável trabalho voluntário de centenas de jovens.

A expectativa de ver realizada uma das principais demandas da Resistência hondurenha, a volta o presidente deposto e coordenador nacional da FNRP, Manuel Zelaya, os fez aguardar por mais de oito horas sob o forte sol característico do início do inverno hondurenho.

“As pessoas estavam desesperadas para ver seu coordenador nacional. Agora o sonho se torna realidade e vamos rumo à Constituinte para refundar Honduras”, disse Dionisia Díaz, a “avó da Resistência”, que por quase dois anos percorreu as ruas do país em protestos contra o golpe de Estado de junho de 2009.

Apesar de a chegada de Zelaya ter atrasado quase três horas, as pessoas estavam firmes em seu lugar, cantando e aplaudindo os artistas que entretinham a multidão.

“O regresso de Zelaya é o resultado da luta de um povo indomável. Um povo que fez milagres porque soube se organizar, mobilizar, crescer politicamente, apesar da repressão e dos assassinatos. Agora este povo tem esperança e a volta de Zelaya é o primeiro passo de uma nova etapa da luta”, disse ao Opera Mundi o membro do Comitê Executivo Nacional da FNRP, Carlos H. Reyes.

Chegada

Quando às 14h22 o avião da venezuelano aterrisou no aeroporto de Toncontín, as pessoas cantavam em coro frases como “Sim, se pode”. “Da resistência ao poder popular”, gritavam, enquanto Zelaya e seus acompanhantes, entre eles o chanceler venezuelano Nicolás Maduro, a ex-senadora colombiana Piedad Córdoba, o ex-presidente panamenho Martín Torrijos, o secretário de Estado dominicano Miguel Mejía e vários exiliados.

Zelaya saudou a mulitidão agitando seu chapéu e agradeceu ao povo hondurenho e a todos os setores envolvidos com a luta da Resistência por terem sido os verdaderos artífices de seu regresso. Também agradeceu à comunidade internacional pelo apoio dado ao longo destes dois anos.

Durante seu discurso, leu o Acordo de Cartagena, firmado por ele e pelo presidente Porfirio Lobo no domingo 22, no marco do processo de mediação impulsionada pelos presidentes da Venezuela e da Colômbia. Ao ressaltar a importância do Acordo “como um primeiro passo rumo à reconciliação”, o presidente deposto enfatizou a necessidade de zelar por seu cumprimento.

Por fim, convidou o governo norte-americano a mudar sua política externa em relação a Honduras e à América Central. “Permita nos fazer democracia na América Latina porque não precisa ter medo do sistema democrático”, disse Zelaya. “Obrigado por esta vitória que é da Resistência. E agora vamos rumo à construção do poder popular”, completou.

registrado em: