Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Vaticano também foi espionado pelos Estados Unidos

Internacional

Igreja Católica

Vaticano também foi espionado pelos Estados Unidos

por Redação — publicado 30/10/2013 12h42, última modificação 30/10/2013 14h10
Publicação italiana afirma que até as discussões sobre o novo pontífice podem ter sido interceptadas
Luca Zennaro / AFP
Papa Francisco

Período anterior ao conclave que escolheu Bergoglio o novo papa também foi monitorado pelos EUA

O Vaticano também foi alvo da espionagem norte-americana, anunciou a revista italiana Panorama. A reportagem completa será divulgada na quinta-feira 31 e aponta que até as discussões sobre o novo pontífice podem ter sido interceptadas pela Agência de Segurança Nacional (NSA).

Cerca de 46 milhões de ligações realizadas na Itália foram monitoradas pela NSA, incluindo o período que antecedeu o conclave, em 12 de março de 2013. A publicação ainda aponta que o monitoramento também aconteceu em ligações da Domus Internationalis Paulo VI, onde residiu o cardeal Jorge Mario Bergoglio, antes de ser escolhido Papa.

O padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, se pronunciou sobre o assunto dizendo que a igreja não se preocupa com a espionagem por não ter nada a esconder.

As ligações originadas do Vaticano e os usuários, de bispos a cardeais, teriam sido classificadas em quatro categorias: "intenções de liderança", "ameaças ao sistema financeiro", "objetivos de política externa" e "direitos humanos".

De acordo ainda com a declaração da Panorama, a superintendência da NSA e o serviço secreto da CIA atuaram em parceria. Um documento classificado como "top secret" e datado de agosto de 2010, encontrado nos arquivos roubados por Edward Snowden, classificam a presença de aparongas em 79 lugares, sendo 19 deles na Europa, incluindo Roma.