Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Um mensalão com provas

Internacional

Espanha

Um mensalão com provas

por Redação Carta Capital — publicado 01/02/2013 16h58, última modificação 01/02/2013 16h58
Ex-tesoureiros do Partido Popular distribuíam milhões de euros para dirigentes. Entre eles, o atual primeiro-ministro

Álvaro Lapuerta e Luis Bárcenas, ex-tesoureiros do Partido Popular que hoje governa a Espanha, coletaram dezenas de milhões de euros de empreiteiros e os distribuíram como bônus a dirigentes do partido, de 1989 a 2009, em valores de até 15 mil euros por mês, diz o jornal El Mundo.

Os beneficiários, segundo anotações de Bárcenas divulgadas por El País em 31 de janeiro, incluem a secretária-geral Dolores Cospedal, José María Aznar, Rodrigo Rato e o próprio Mariano Rajoy, que de 1997 a 2008 recebeu 6,3 mil euros trimestrais.

Em 2011, ele aprovou uma anistia fiscal que permitiu a Bárcenas, que chegou a manter 22 milhões na Suíça, “lavar” 10 milhões de euros. Dolores Cospedal nega tudo em nome do partido, mas o presidente do Senado, Pío García, um de seus integrantes, admitiu ser verdadeiro um empréstimo contabilizado nas mesmas anotações.