Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Ultimato a Mubarak

Internacional

Revolta

Ultimato a Mubarak

por Wálter Maierovitch publicado 01/02/2011 14h51, última modificação 02/02/2011 12h49
Com o discurso da perda de legitimidade, a oposição quer a queda do presidente e convocação imediata de eleições. Nada de esperar até outubro, ou seja, o calendário oficial. Por Wálter Maierovitch
Ultimato a Mubarak

Com o discurso da perda de legitimidade, a oposição quer a queda do presidente e convocação imediata de eleições. Nada de esperar até outubro, ou seja, o calendário oficial. Por Wálter Maierovitch. Foto: AFP

1. A megamanifestação ocorrida na praça Tharir deu vida ao discurso da perda da legitimação por parte de Hosny Mubarak, presidente que se mantém no cargo há quase 30 anos.

Para os opositores, cerca de 2 milhões de cidadãos egípcios estiveram presentes à praça Tahrir para pedir urgentes reformas políticas e a queda de Mubarak.  Como consequência, o presidente Mubarak teria perdido a legitimação, que provém do povo.

No fundo, uma adequação, sem o devido processo, do instituto do “recall”, que vigora  nos EUA ( na Califórnia, o cartão vermelho do recall foi aplicado ao antigo governador e se elegeu Arnold Schwarzenegger), Rússia e alguns cantões suíços.

O discurso da perda de legitimidade para continuar a governar o Egito saiu de uma reunião que ocorreu hoje entre os grupos de oposição.

Dessa reunião oposicionista participaram as lideranças do Al-Wafd (liberais democratas), Al Nassi (nacionalistas), Movimento Nacional para Mudanças (progressistas), Fraternidade Muçulmana (adeptos de uma teocracia) e Tajamud (reúne vários grupos de  esquerda).

Em entrevista, o líder El-Baradei,  já vencedor do Prêmio Nobel da Paz, deu um “ultimatum a Mubarak”: “Deverá deixar o país até sexta-feira para evitar um banho de sangue”.

Segundo  estimativa da ONU, o conflito no Egito iniciado na terça 25  resultou, até agora, em 300 mortes. E uma mensagem da Unesco pede proteção urgente aos tesouros egípcios diante de constantes tentativas de saque.

2. O Irã, sem nenhuma sutileza, aproveitou a comemoração de hoje do 32º. Aniversário da Revolução Islâmica para reproduzir, em irritantes repetições pela rádio e televisão, o discurso do falecido aiatolá Sayyid Ruhollah Musavi Khomeini.

Em antigo vídeo, Khomeini conclama o Egito a por fim à influência norte-americana: “O povo egípcio deve se rebelar e afastar da região o arrogante global e os seus aliados” (referência aos EUA e governo egípcio).

No Egito, os islâmicos sunitas representam 89% da população. O Irã é xiita, enquanto os al-qaedistas são fundamentalistas sunitas que pretendem unir a todos, mas sob orientação de Osama bin Laden, que se apresenta como o novo califa.

3. A Fraternidade Muçulmana é a principal força político-religiosa e extremista do Egito. A assembléia parlamentar nacional é composta por 454 membros, sendo dez de livre escolha do presidente da República. A Fraternidade Muçulmana detém 88 cadeiras.

Para analistas internacionais, cerca de 20% dos egípcios apóiam a Fraternidade Muçulmana. Para republicanos e direitistas israelenses, os bem organizados membros da Fraternidade Muçulmana poderão vencer a eleição e chegar ao poder, com riscos à paz mundial.

Ontem, o ator Omar Sharif, que é egípcio e vive no Cairo, disse querer a democracia com a substituição de Mubarak. Mas, disse estar temeroso com a minoria radical islâmica. Em outras palavras, teme por um Estado teocrático, como no Irã xiita.

Depois de pegar carona nas manifestações iniciadas na terça 25 por estudantes e trabalhadores desejosos de mais liberdade e democracia, a Fraternidade Muçulmana já começa a fazer exigências. Hoje, expediu comunicado a refutar qualquer diálogo com o vice-presidente Omar Suleiman, que o Exército apóia para conduzir a transição.

PANO RÁPIDO. Com o discurso da perda de legitimidade de Mubarak, a oposição quer a queda do presidente e convocação  imediata de eleições. Nada de esperar até outubro, ou seja, o calendário oficial.

registrado em: , ,