Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Tribunal quer Khadafi, filho e colaborador presos hoje

Internacional

Líbia

Tribunal quer Khadafi, filho e colaborador presos hoje

por Agência Brasil publicado 28/06/2011 14h26, última modificação 28/06/2011 14h49
Ordens de prisão foram emitidas nesta segunda-feira. Para o promotor-chefe, autoridades líbias têm o dever de cumprir a determinação do tribunal

Por Renata Giraldi*

O promotor-chefe do Tribunal Penal Internacional, Luis Moreno-Ocampo, defendeu nesta terça-feira 28 a prisão imediata do presidente da Líbia, Muammar Khadafi, do filho dele Saif Al Islam, e do cunhado e colaborador Abdulla Al Senussi. Na segunda-feira 27 o tribunal emitiu as ordens de prisão. Ocampo disse que “hoje é o dia da prisão” e que as autoridades líbias têm o dever de cumprir a determinação do tribunal. Porém, autoridades ligadas a Khadafi informam não reconhecer o Tribunal Penal Internacional.“A Líbia tem a responsabilidade primária de implementar as ordens de prisão. O país é um membro das Nações Unidas desde 1955, tem de obedecer à resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, de 1970, e cooperar plenamente prestando a assistência necessária ao tribunal e ao promotor”, acrescentou.
Khadafi, o filho dele e o cunhado são acusados de crimes contra a humanidade, como atacar civis nas ruas e nas casas. De acordo com Ocampo, o Conselho Nacional Provisório, formado pela oposição ao líder líbio, defende o cumprimento dos pedidos de prisão. Porém, ele lembrou que as forças internacionais não têm poder para implementar as prisões.

Ocampo disse ainda que as investigações envolvendo Khadafi e seus aliados serão intensificadas pelo tribunal. “O gabinete do promotor vai continuar investigando os crimes sobre a Líbia, desde 15 de fevereiro de 2011, em especial as denúncias de violações e as acusações de ações para encobrir os crimes”, disse.

Os embates entre as forças leais a Khadafi, rebeldes e manifestantes se acirraram em março, quando as tropas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) passaram a atuar na Líbia. A ação começou a partir de uma decisão das Nações Unidas fixando uma área de exclusão aérea na região, alegando necessidade de proteção a civis.

Porém, organizações não governamentais informam que alvos civis foram atacados tanto por forças de Khadafi como também por homens da Otan. Não há prazo para a organização deixar a Líbia. O presidente, que comanda o país há quase 42 anos, disse que lutará até a morte e que não pretende abrir mão do poder.

*Matéria originalmente publicada em

registrado em: ,