Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Tolerância Zero leva à cadeia os primeiros ‘ladrões de galinha’

Internacional

Pensata

Tolerância Zero leva à cadeia os primeiros ‘ladrões de galinha’

por Gianni Carta publicado 15/08/2011 19h12, última modificação 25/10/2011 11h46
Não é cortando alocações sociais dos pais de jovens enraivecidos que o premier David Cameron resolverá o problema numa conjuntura onde protestos são inelutáveis e cíclicos. Foto: Lefteris Pitarakis/AP
Tolerância Zero leva à cadeia os ‘ladrões de galinha’

Não é cortando alocações sociais dos pais de jovens enraivecidos que David Cameron resolverá o problema numa conjuntura onde protestos são inelutáveis e cíclicos. Foto: Lefteris Pitarakis/AP

Terminadas, pelo menos por ora, as manifestações na Inglaterra, uma mulher foi condenada a cinco meses de prisão em regime fechado por ter aceitado mercadorias provenientes de saques. A mãe de um rapaz de 18 anos, acusado por roubo e atos de violência, poderá ser expulsa de sua habitação popular subsidiada pelo governo. Cerca de 3 mil pessoas serão julgadas, e os tribunais em Londres e Manchester funcionam inclusive à noite. Punir famílias inteiras pelas ações de seus integrantes mais jovens faz parte do programa de Tolerância Zero, lançado no domingo 14 pelo primeiro-ministro britânico David Cameron.

Parece incrível, mas para Cameron faz sentido cortar as alocações sociais dos menos privilegiados no país com maior disparidade social na Europa – para lidar, nas palavras do premier, com os “ladrões”´ e “doentes” que integram as gangues de hoodies, os jovens encapuzados.  Num reinado civilizado, os menos privilegiados não deveriam, é óbvio, ser punidos. Os endinheirados deveriam pagar impostos mais elevados, coisa que não acontece. O governo conservador de Cameron, aliás, cortou os impostos do 1% dos mais ricos, e aumentou o valor agregado. Isso em período de recessão, e de cortes de benefícios sociais por conta do programa de austeridade. Assim, o poder aquisitivo das classes médias e baixas só tende a declinar.

Por essas e outras, nos protestos vimos manifestantes de todas as possíveis etnias a viver no país. Essencial, além de pensar um pouco mais no bolso do povo, é entender as causas a levar esses jovens e menos jovens para as ruas. O conflito, a evocar cenas de guerrilha urbana, teve início quando a mítica Scotland Yard matou um jovem negro, pai de quatro filhos. Houve, portanto, um elemento racial nos protestos. Como diz o próprio Cameron, o multiculturalismo “falhou”.  Não seria o caso de organizar campanhas para lidar com a discriminação racial?

Cameron prefere usar uma retórica severa para reconquistar seus eleitores conservadores na maior crise desde sua chegada ao cargo, 15 meses atrás.  O premier passava férias na Toscana quando a onda de violência estourou, e portanto chegou em Londres em plena crise. Em uma pesquisa de opinião publica, a maioria das 2.534 pessoas interrogadas (57%) revelou-se insatisfeita com a lenta reação do primeiro-ministro. Neste domingo 14,70% dos interrogados pelo tabloide Sunday Express mostraram-se favoráveis à suspensão das alocações sociais aos pais dos manifestantes.

De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mães e pais britânicos passam menos tempo com os filhos que aqueles de outras nacionalidades europeias. E a vasta maioria desses pais ausentes pertence à fatia dos menos privilegiados.

Os filhos, potenciais hoodies, vivem num país onde artistas de vanguarda e celebridades são aqueles que se drogam e se embriagam. Amy Winehouse é apenas um exemplo recente.  Até os príncipe herdeiro Harry, nada avesso a uma boa bebedeira, não dá bom exemplo. Em 2000, o filho do então premier Tony Blair foi detido por estar “bêbado e incapacitado”. A polícia encontrou Euan numa calçada da Leicester Square, centro de Londres.  Outros modelos para os hoodies, claro, são os hooligans, muitas vezes os próprios pais, e skinheads de extrema-direita.

Segundo a Unicef, britânicos de 15 anos se embriagam com maior frequência, comparativamente a seus pares de outros países da Europa.  No Reino Unido, esse índice é de 27%, ante 3% na França. Superam todos os europeus no consumo de drogas – e em brigas (44% no Reino Unido; 28% na Alemanha).

Outra enquete, sobre o bem-estar dos jovens, realizada em 21 países industrializados, coloca os britânicos em último lugar.

E o quadro não parece ter melhorado desde 2008, quando uma pesquisa feita pelo semanário The Independent on Sunday revelou que nos quatro primeiros meses daquele ano um em cinco adolescentes carregava facas no bolso. Naquele início de ano, cinco adolescentes foram mortos esfaqueados, e mais cinco ficaram gravemente feridos.  Em 2007, somente em Londres, 27 adolescentes foram mortos por jovens com facas ou armas de fogo. Adultos também são vítimas. Em janeiro de 2008, três adolescentes mataram Garry Newlove, de 47 anos. Escolas secundárias públicas passaram a utilizar um sistema de detector de metais, como nos aeroportos.

O programa de Tolerância Zero de Cameron deveria incluir um maior numero de centros para jovens, e, sobretudo, melhores escolas públicas. Não é cortando as alocações sociais para os pais dos menos privilegiados e prendendo “ladrões de galinhas” que Cameron resolverá o problema de jovens enraivecidos. Por ora, seu discurso pode ter dado certo. Mas tanto Cameron como os leitores reacionários dos tabloides do magnata Rupert Murdoch deveriam levar em conta a seguinte ideia: na atual conjuntura, essas manifestações são inelutáveis e cíclicas.

registrado em: