Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Talibã e Al-Qaeda falam sobre "derrota" dos EUA

Internacional

11 de setembro

Talibã e Al-Qaeda falam sobre "derrota" dos EUA

por Redação Carta Capital — publicado 11/09/2012 10h40, última modificação 11/09/2012 10h45
No aniversário de 11 anos dos atentados, grupos dizem estar vencendo confronto no Afeganistão
New Ayman al-Zawahiri Video

Ayman al-Zawahiri, chefe da Al-Qaeda desde a morte de Osama bin Laden, em imagem do vídeo divulgado por ocasião dos 11 anos do 11 de setembro. Ele fala em "derrota" dos EUA no Afeganistão. Foto: AFP

A rede terrorista Al-Qaeda e o grupo radical islâmico Talibã emitiram comunicados nesta terça-feira 11, data em que atentados de 11 de setembro contra os Estados Unidos completam 11 anos, celebrando o que chama de "derrota" norte-americana no Afeganistão. A Al-Qaeda foi a responsável pelos ataques de 2001 e o Talibã, então no governo do Afeganistão, dava guarida ao grupo de Osama bin Laden em seu território.

Para o Talibã, o Exército dos Estados Unidos enfrenta uma "derrota fragorosa" no Afeganistão e os cidadãos americanos estão em risco em qualquer lugar do planeta. "O aniversário do 11/9 se aproxima este ano no momento em que os Estados Unidos enfrentam uma fragorosa derrota militar, política, econômica e em todos os outros aspectos no Afeganistão, e quando se esgotam todos os argumentos para prolongar esta guerra ilegal", destaca uma mensagem dos talibãs monitorada pelo grupo de inteligência SITE.

Apesar de os Estados Unidos terem feito "enormes investimentos militares e econômicos" na guerra, "nenhum americano está seguro", afirma o comunicado em inglês divulgado no domingo. Em 2001, quase 3 mil pessoas morreram nos atentados com aviões comerciais contra as torres gêmeas do World Trade Center de Nova York e o Pentágono, em Washington. Desde então, os Estados Unidos lideram uma guerra no Afeganistão contra a aliança dos talibãs com a Al-Qaeda.

O líder da Al-Qaeda, o médico egípcio Ayman al-Zawahiri, também divulgou um vídeo por ocasião do aniversário dos ataques. Zawahiri não faz menção especificamente ao 11 de setembro, mas chama de "mentiroso" o presidente americano Barack Obama e afirma que ele foi eleito para "enganar" os muçulmanos em todo o mundo. Para Zawahiri, Obama "foi derrotado" no Afeganistão.

No vídeo, Zawahiri confirma pela primeira vez a morte, em junho, do número dois da rede extremista. O vídeo de 42 minutos é a primeira aparição de Zawahiri nos últimos três meses e confirma que Abu Yahya al-Libi morreu em um ataque com avião não-tripulado na zona tribal paquistanesa do Waziristão, em 4 de junho, segundo os sites de monitoramento SITE e IntelCenter.

Libi era considerado o responsável pelas operações globais de propaganda da Al-Qaeda e sua morte representou o golpe mais duro para os extremistas desde a morte de Osama Bin Laden por uma força especial americana em maio de 2011. "Após o martírio de Sheikh Abu Yahya, esperamos que Deus tenha piedade dele e que as pessoas sigam seus escritos ainda mais que antes", disse Zawahiri em árabe, segundo uma tradução do SITE.

O vídeo foi divulgado em fóruns jihadistas na segunda-feira, de acordo com os sites americanos.

Com informações da AFP Movil