Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Strauss-Kahn é detido para investigação sobre rede de prostituição

Internacional

Ex-chefe do FMI

Strauss-Kahn é detido para investigação sobre rede de prostituição

por AFP — publicado 21/02/2012 11h48, última modificação 06/06/2015 18h58
O ex-diretor geral do FMI agora é investigado sobre seu envolvimento com redes de prostituição e por "ocultação de abuso de bens sociais"
-

Strauss-Kahn reconheceu um gosto pela libertinagem, mas negou ter cometido qualquer ato ilícito ou violento. Foto: AFP

LILLE (AFP) - O ex-diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, foi detido nesta terça-feira em Lille (norte da França) para investigações sobre seu envolvimento com redes de prostituição e por "ocultação de abuso de bens sociais", em processos paralelos ao escândalo sexual no qual esteve envolvido em Nova York.

Strauss-Kahn chegou pela manhã à delegacia de polícia a qual havia sido convocado e imediatamente foi decretada sua detenção para investigação, disse a promotoria.

O advogado de Strauss-Kahn, Frédérique Baulieu, chegou pouco depois para orientar seu cliente durante a investigação que, teoricamente, pode durar até 96 horas. A expectativa, no entanto, é que ela dure 48 horas.

Também um médico se dirigiu à detenção, mas só permaneceu por alguns minutos. A lei francesa prevê que as pessoas detidas para investigação peçam um exame médico.

Strauss-Kahn será interrogado sobre as festas libertinas das quais teria participado em Paris e em Washington para que os investigadores determinem se as mulheres que participavam das mesmas eram prostitutas.

As testemunhas sobre o caso disseram que várias viagens de mulheres foram organizadas e financiadas por dois empresários do norte da França, Fabrice Paszkowski, diretor de uma empresa de equipamentos médicos, e David Roquet, ex-diretor de uma filial do grupo de obras públicas Eiffage.

A última dessas viagens aconteceu de 11 a 13 de maio na capital dos Estados Unidos, às vésperas da prisão de Strauss-Kahn no caso do hotel Sofitel de Nova York.

Na época, o então diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) foi acusado por uma funcionária do hotel, Nafissatou Diallo, de agressão sexual.

As acusações de Justiça americana caíram, mas Strauss-Kahn ainda terá de enfrentar uma ação civil nos Estados Unidos. A questão também gerou uma série de revelações sobre sua vida privada, convertendo-o para alguns em um ogro "sexual" e para outros em "vítima" de um complô. Strauss-Kahn reconheceu um gosto pela libertinagem, mas negou ter cometido qualquer ato ilícito ou violento.

O escândalo de Nova York pôs fim às ambições presidenciais de Strauss-Kahn na França, como um potencial candidato do Partido Socialista, além de ter lhe custado sua posição no FMI.

Strauss-Kahn conheceu Paszkowski há vários anos através de Jacques Mellick, filho e homônimo de um deputado francês, que participava na época de um clube de reflexão política strauss-kahniano.

De acordo com Didier Cattoir, advogado de Jacques Mellick Filho (que foi detido para investigação, sem ser acusado), este último havia se disposto a atuar como "uma espécie de ponte" para "finalizar" o regresso à França de Strauss-Kahn.

registrado em: