Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Segredos profundos

Internacional

News of the World

Segredos profundos

por Redação Carta Capital — publicado 13/09/2011 19h24, última modificação 13/09/2011 19h25
Ministro da Fazenda do Reino Unido, George Osborne, teria ajudado ex-editor do tablóide a entrar no Partido Conservador para retribuir cobertura em escandâlo particular

O escândalo do News of the World, tablóide britânico que utilizava grampos telefônicos para conseguir histórias exclusivas, ainda repercute no alto escalão do governo britânico. Desta vez, a vítima seria o ministro da Fazenda do Reino Unido, George Osborne, de 40 anos.

Osborne está sendo pressionado a explicar os motivos para ter apoiado o recrutamento do ex-editor do tablóide Andy Coulson para o núcleo do Partido Conservador. Segundo o diário britânico The Independent, o fato estaria relacionado à abordagem do NOTW, fechado em julho pelo magnata da mídia Rupert Murdoch, de uma história ligando ele a dominatrix Natalie Rowe e ao uso de drogas.

Rowe, que comandava um serviço de acompanhantes de luxo, foi alvo de um detetive do tablóide antes da publicação da história durante a última campanha pela liderança do Partido Conservador em 2005, na qual o atual primeiro-ministro britânico David Cameron concorria à liderança da legenda.

Em outubro daquele ano, NOTW e Sunday Mirror publicaram reportagens afirmando que Osborne teria frequentado festas nas quais o uso de cocaína era intensivo. Inclusive,  o ministro foi fotografado com os braços ao redor de Rowe em frente ao que foi noticiado como cocaína.  Ele negou o uso de drogas e disse não ser íntimo da ex-cafetina.

No entanto, na mesma edição do NOTW, Coulson teria autorizado a publicação de um editorial com um enfoque positivo sobre a situação, justificando que o político era um jovem pego em uma situação suspeita e que ele condenava o uso de drogas.

Osborne apoiou ativamente o recrutamento de Coulson para o Escritório Central Conservador em 2007, quando este ainda era editor do tablóide, e mais tarde para ocupar o cargo de “marketeiro político” de Cameron. Até o escândalo das escutas telefônicas estourar e ser obrigado a renunciar, o jornalista ocupava o cargo de Chefe de  Comunicação do premiê.

registrado em: