Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Secretário-Geral da ONU chega ao Brasil na quinta-feira

Internacional

Visita

Secretário-Geral da ONU chega ao Brasil na quinta-feira

por Redação Carta Capital — publicado 14/06/2011 19h29, última modificação 14/06/2011 19h29
Ban Ki-moon vai se reunir com a presidenta Dilma Roussef. É sua terceira passagem pelo país

Por Renata Giraldi*

Em campanha pela reeleição, o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, desembarca na próxima quinta-feira 16 no país para dois dias de visita. No primeiro dia, Ki-moon se reúne com a presidenta Dilma Rousseff e o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota.

Em Brasília, Ki-moon conversa ainda com os ministros Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência), Tereza Campello (Desenvolvimento Social e Combate à Fome) e Isabella Teixeira (Meio Ambiente), além dos presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS).

Há, ainda, reuniões agendadas com a ex-senadora Marina Silva (PV-AC), que integra o Grupo do Secretário-Geral dos Defensores dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas. É a terceira vez que ele vem ao Brasil.

Em janeiro de 2007, Ki-moon visitou uma usina de álcool, na cidade de Jaboticabal, no interior de São Paulo e a floresta Amazônica. No ano passado, em maio, durante o 3º Fórum da Aliança de Civilizações das Nações Unidas, ele foi à comunidade Babilônia/Chapéu Mangueira, no Rio de Janeiro, e homenageou os militares brasileiros mortos no terremoto do Haiti, em janeiro de 2010.

A visita ao Brasil é a última etapa de uma viagem de Ki-moon à América Latina. Antes, ele esteve na Colômbia, Argentina e no Uruguai. Na Argentina em decorrência da nuvem de cinzas que toma conta de parte do país, o secretário-geral teve de enfrentar nove horas de viagem de ônibus do interior argentino até a capital Buenos Aires.

Bem-humorado, Ki-moon aproveitou os intervalos da viagem de ônibus para saborear um alfajor – doce tipicamente argentino feito com chocolate e doce de leite – e tomar um cafezinho. A presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, pediu desculpas pelo transtorno.

*Publicado originalmente pela Agência Brasil

registrado em: