Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Polícia reabre refinaria nos arredores de Paris e governo reconhece escassez de gasolina

Internacional

França

Polícia reabre refinaria nos arredores de Paris e governo reconhece escassez de gasolina

por Opera Mundi — publicado 22/10/2010 10h57
A refinaria de Granpuits se tornou um bastião da resistência à reforma da previdência

Por Marina Terra*

A polícia francesa desbloqueou nesta sexta-feira, à força, a refinaria de Grandpuits, nos arredores de Paris, uma das maiores do país, que tinha sido paralisada há dez dias pelos grevistas que protestam contra a reforma da previdência proposta pelo governo. Ainda existem outras 11 refinarias bloqueadas por grevistas na França e o governo francês reconheceu que haverá escassez de combustível "por vários dias".

A refinaria de Granpuits se tornou um bastião da resistência à reforma da previdência, que entre outras medidas prevê o aumento de 60 para 62 anos para idade mínima para aposentadoria. O Senado espera aprovar o projeto nesta sexta-feira, apesar dos crescentes protestos na França.

Na ação em Grandpuits, três pessoas ficaram feridas, afirmou o coordenador da união sindical CGT Total, Charles Foulard. Para ele, a ação policial significa "a supressão do direito à greve" pelo presidente da França, Nicolas Sarkozy.

Após a operação, o Ministério do Interior explicou que a intervenção policial, "estritamente necessária", ocorreu "com tranquilidade" e sem que houvesse nenhum incidente. "O único objetivo desta operação é voltar a dispor dos estoques de combustível", para "permitir aos serviços públicos e, sobretudo, aos serviços de socorro cumprir suas missões" e para "assegurar o direito de cada um à livre circulação", informe comunicado.

Dados - Segundo uma pesquisa do instituto BVA divulgada hoje pelo Canal Plus, 69% dos cidadãos aprovam "as greves e as manifestações" contra o projeto de lei, enquanto 29% se dizem contra.

No entanto, a mesma pesquisa indica que a maioria dos franceses (52%) desaprova o bloqueio das refinarias, que ameaçam paralisar o tráfego viário no país.

*Matéria originalmente publicada no Opera Mundi

registrado em: