Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Piñera se reúne com estudantes para encerrar crise na educação

Internacional

Chile

Piñera se reúne com estudantes para encerrar crise na educação

por Agência Brasil publicado 30/08/2011 09h30, última modificação 06/06/2015 18h16
Estudantes exigem garantias sobre os 12 pontos considerados essenciais para a reforma da educação no país, como mais investimentos no setor e garantias de ensino superior gratuito

Por Renata Giraldi*

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, reúne nesta terça-feira 29 representantes dos estudantes para negociar o fim da série de protestos, que dura três meses no país. A ideia é definir um plano de ação que prevê investimentos e mudanças na educação. Ontem, Piñera determinou a demissão do chefe da Polícia da área de Santiago, Sergio Gajardo.

O ministro da Segurança Interior e da Administração Pública, Rodrigo Hinzpeter, anunciou a demissão de Gajardo depois da morte do estudante Manuel Gutierrez, de 14 anos. O adolescente foi vítima de uma bala e a suspeita é que o tiro partiu de policiais durante a paralisação geral na semana passada. Além do chefe da Polícia, foram demitidos mais quatro policiais.

Na tentativa de encerrar o impasse com os estudantes e professores, Piñera pediu o empenho de todos para “não agravar o problema”. Os estudantes exigem do governo garantias sobre os 12 pontos considerados essenciais para a reforma da educação no Chile, como mais investimentos no setor e garantias de ensino superior gratuito.

O governo de Piñera apresentou três propostas, mas os estudantes e os professores não aceitaram nenhuma delas. Ontem, os estudantes decretaram um dia de luto em homenagem a Manuel Gutierrez e reuniram-se com o ministro da Educação, Felipe Bulnes, para definir os termos das negociações que serão conduzidas hoje por Piñera.

As últimas paralisações no Chile foram consideradas as mais intensas desde a redemocratização do país com o fim do governo do ex-presidente Augusto Pinochet (1973-1990). Piñera propôs aumentar o número de bolsas de estudo e de recursos orçamentais para a educação e reduzir a taxa de juros que é cobrada sobre empréstimos estudantis.

*Matéria publicada originalmente na Agência Brasil

registrado em: