Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Pelo menos 100 mil protestam em Budapeste

Internacional

Pelo menos 100 mil protestam em Budapeste

por AFP — publicado 03/01/2012 08h34, última modificação 06/06/2015 18h57
Manifestantes reunidos nesta segunda julgam que a nova Constituição ameaça a democracia do país
hungria_protestos

Dezenas de milhares de manifestantes protestam contra a nova Constituição húngara, em Budapeste ©AFP / Ferenc Isza

BUDAPESTE (AFP) - Dezenas de milhares de pessoas protestaram nesta segunda-feira, em Budapeste, contra a nova Constituição húngara, que julgam ameaçar a democracia, enquanto o governo comemorou sua entrada em vigor com uma cerimônia.

Os organizadores do protesto, convocado com o lema "Haverá uma república outra vez", informaram que quase 100.000 pessoas se concentraram no fim da tarde em uma das principais vias da capital húngara.

O lema da manifestação faz alusão a uma das disposições da nova Constituição, que entrou em vigor em 1º de janeiro e que substitui a "República da Hungria" por "Hungria".

O partido socialista MSZP, o partido verde de esquerda LMP e o novo partido DK, do ex-premier socialista Ferenc Gyurcsany, participaram do protesto.

Os manifestantes gritaram palavras de ordem contra o governo do premier Viktor Orban e exibiram cartazes com a inscrição: "Chega!", "Ditadura Orban", "Orbanização".

Paralelamente, os membros do governo e o presidente Pal Schmitt chegavam à Ópera de Budapeste para uma cerimônia pela entrada em vigor da nova Constituição.

"Viktor Orban e seus seguidores fizeram a Hungria passar de um lugar promissor ao lugar mais sombrio da Europa", comentou, no começo da manifestação, o deputado socialista Tibor Szanyi, que pediu à população para "se livrar da ditadura de Orban".

A nova Constituição, aprovada em abril pela maioria de dois terços do partido Fidesz, de Orban, no Parlamento, despertou críticas da União Europeia e dos Estados Unidos, bem como a Anistia Internacional.

Para os críticos do texto, a nova Constituição limita os poderes da Corte Constitucional, ameaça o pluralismo da imprensa e põe fim à independência da justiça.

*Leia mais em AFP

registrado em: