Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Patriota pede apoio para impedir ação de coiotes na migração de haitianos

Internacional

Imigração

Patriota pede apoio para impedir ação de coiotes na migração de haitianos

por Agência Brasil publicado 03/05/2013 12h55
O ministro das Relações Exteriores falou ao chanceler do Equador, Ricardo Patiño, que necessita de apoio no combate aos “atravessadores"
Antônio Patriota

Ministro Antônio Patriota pediu ajuda ao Equador para combater ação de coiotes. Foto: Agência Brasil

Brasília – O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, pediu nesta quinta-feira 2 ao chanceler do Equador, Ricardo Patiño, apoio no combate aos “atravessadores”, os chamados “coiotes”, na migração de haitianos. Apesar de o Equador não ter fronteira direta com o Brasil, o país é usado como passagem por vários grupos de haitianos para chegar ao Acre.

“[Temos de] combater esse tipo de prática, que é também um tipo de exploração”, disse Patriota, que participa de reuniões no Equador. “Estamos trabalhando em uma coordenação mais estreita sobre essa questão migratória.”

Segundo especialistas, o processo de migração dos haitianos deve ser negociado com as autoridades do Equador, da Bolívia e do Peru. As conversas avançam, pois todos os países estão envolvidos nas rotas utilizadas pelos que tentam sair de seu país.

No dia 29 começou a segunda etapa de medidas para regularizar a imigração de haitianos para o Brasil. Pela Resolução Normativa 102/2013, publicada no Diário Oficial da União, acaba o teto, uma média de 100 vistos concedidos por mês, instituído pelo governo em 2012, na tentativa de conter a entrada irregular pela fronteira do Acre com a Bolívia e o Peru.

Patriota está no Equador para participar da reuniões da Nova Agenda Estratégica de Cooperação Amazônica (2011-2020). As discussões se referem a iniciativas como a intensificação do diálogo para a inclusão social e o combate à pobreza. Também serão examinados temas relativos a meio ambiente, saúde, turismo, ciência e tecnologia e desenvolvimento regional.

O Tratado de Cooperação Amazônica, assinado em 1978, previu o diálogo entre os países signatários para a preservação do meio ambiente e o uso racional dos recursos naturais da Amazônia. Em 1998, um protocolo de emenda ao tratado criou a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (Otca), que é a única organização internacional com sede em Brasília.