Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Os perigos da desintegração da Venezuela

Internacional

América Latina

Os perigos da desintegração da Venezuela

por Ariane Mondo — publicado 01/05/2013 12h40
Para especialista, há uma certa fragilidade nos projetos de integração venezuelanos que, sem Chávez, podem se enfraquecer
Eleitor de Hugo Chávez

Apoiador de Chávez, com um boneco do líder nas mãos, acena ao chegar para o velório em Caracas, em março Foto: Ronaldo Schemidt / AFP

Durante o governo Hugo Chávez, a integração latino-americana se transformou em uma questão central na Venezuela. De acordo com Fidel Pérez Flores, pesquisador do Observatório Político Sul-Americano (OPSA), da UERJ, dois exemplos são emblemáticos: a criação da ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América) e da Petrocaribe.

Desde a sua criação, os projetos no âmbito da Alba alfabetizaram cerca de 3,6 milhões pessoas em países como Venezuela, Bolívia, Nicarágua e Equador pelo método cubano “yo sí puedo”. A Petrocaribe, por sua vez, representa hoje 45% da distribuição de energia elétrica em 13 países caribenhos, segundo a PDVSA.

Segundo Flores, a eleição de Nicolás Maduro é um ponto positivo não só por representar a continuidade do projeto político anterior, mas também porque o sucessor pertence a uma corrente que participou das iniciativas articuladas por Chávez.

Entre os desafios do novo presidente, o analista cita a ascensão de forças políticas contrárias ao financiamento de Alba e Petrocaribe; a diminuição do excedente econômico disponível para projetos de integração; o avanço tímido da integração para além das vantagens cooperativas.

Para Flores, há uma certa fragilidade nos projetos de integração regional e, sem Chávez, eles podem se enfraquecer ainda mais.

Em sua exposição, o jornalista e professor de relações internacionais da UFABC Gilberto Maringoni afirmou que a integração latino-americana deve ir além das transações comerciais. Citou como exemplo a rede de televisão Telesur, uma alternativa de comunicação para fazer frente às grandes corporações da mídia regional. A emissora foi criada em 2005, em parceria com os governos de Cuba, Uruguai e Argentina.

Ele lembrou ainda o exemplo do Gasoduto do Sul, que sairia da Venezuela e iria até a Argentina, passando pela Bolívia e Equador. “É uma iniciativa interessantíssima de integração continental”, afirmou.

registrado em: ,