Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Opositores e chavistas trocam socos no Congresso

Internacional

Venezuela

Opositores e chavistas trocam socos no Congresso

por AFP — publicado 01/05/2013 12h46
As agressões começaram após os governistas aprovarem uma medida que nega a palavra à oposição por ignorar a eleição do presidente Nicolás Maduro
Julio Borges

Imagem divulgada pelo partido Primero Justicia mostra os ferimentos no rosto do deputado Julio Borges após confronto com chavistas. Foto: AFP

Deputados chavistas e opositores trocaram socos na terça-feira 30 durante uma sessão parlamentar. A confusão começou após os governistas aprovarem uma medida que nega a palavra à oposição por ignorar a eleição do presidente Nicolás Maduro.

"Não sou o único agredido, vários deputados apanharam e o responsável direto é o senhor Diosdado Cabello", presidente da Assembleia Nacional, "que exige nosso reconhecimento de Nicolás Maduro", disse o legislador Julio Borges mostrando o rosto machucado ao canal Globovisión.

"O que fizemos foi exibir em silêncio o cartaz 'Golpe no Parlamento'", explicou Borges, revelando que após o protesto vários deputados da oposição foram agredidos por legisladores chavistas.

Já a deputada chavista Odalis Monzón disse que foi "atacada pela bancada opositora" e agradeceu seus companheiros por "defendê-la", em declaração à TV da Assembleia Nacional. "Sabíamos que a oposição queria provocar violência e houve uma forte troca de socos. Isto não pode se repetir", declarou Maduro sobre o incidente.

Diosdado Cabello "vai adotar as medidas de autoridade e disciplina para que não se repitam fatos como este", afirmou Maduro, que propôs "buscar a paz".

Momentos antes das agressões, a maioria chavista da Assembleia aprovou uma medida que impede a palavra dos deputados opositores, alegando 'reciprocidade' por ignorarem a vitória de Maduro nas eleições de 14 de abril.

Após a votação, deputados opositores fizeram um apitaço, enquanto as câmeras da TV Assembleia mostravam o teto do plenário, antes de suspender a transmissão. O acesso de jornalistas ao local está proibido.

"Enquanto aqui nesta Assembleia Nacional não forem reconhecidas as autoridades, as instituições da República (...), os senhores da oposição poderão falar na Globovisión, no (jornal) El Nacional, mas aqui não", disse Cabello, antes de suspender a sessão.

A suspensão da palavra aos deputados opositores foi proposta pelo chavista Pedro Carreño, que também denunciou a agressão sofrida de legisladores da oposição.

O líder da oposição, Henrique Capriles, reagiu ao incidente afirmando que o governo quer converter a Venezuela "em um circo de violência e barbárie". "O desastre que este governo é eles querem esconder com violência".

Maduro venceu Capriles na eleição presidencial por uma diferença de apenas 224 mil votos (1,49%). A oposição não reconhece o resultado das urnas e, nos próximos dias, entrará com um recurso no Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).

O Conselho Nacional Eleitoral iniciou esta semana uma auditoria dos resultados, acatando pedido da oposição, mas Capriles e seus aliados afirmam que o processo é uma "farsa".

Leia mais em AFP Movel.