Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Oposição volta às ruas e diz que luta continua na Ucrânia

Internacional

Crise

Oposição volta às ruas e diz que luta continua na Ucrânia

por AFP — publicado 26/01/2014 14h42
Novos protestos tomam conta de Kiev um dia depois de o presidente ter feito concessões consideradas insuficientes pelos manifestantes
Aris Messinis/AFP
Manifestantes de oposição ao governo bloqueiam avenida em Kiev

Manifestantes de oposição ao governo bloqueiam avenida em Kiev

A oposição da Ucrânia prometeu neste domingo 26 continuar com seu protesto, apesar das concessões feitas pelo presidente Viktor Yanukovitch. No sábado 25, Yanukovitch fez a oferta de nomear um opositor como primeiro-ministro para tentar solucionar a crise política que sacode o país há dois meses.

Segundo os opositores, as inéditas concessões de Yanukovitch são insuficientes. Neste domingo, sob um frio de 20 graus abaixo de zero, grupos de manifestantes voltaram a se concentrar na Praça da Independência, onde prestarão uma homenagem aos manifestantes mortos durante os recentes confrontos com a polícia.

Yanukovitch propôs o posto de primeiro-ministro a Arseni Yatsneniuk, líder do partido da opositora Julia Timoshenko. Também ofereceu ao ex-boxeador Vitali Klitschko o cargo de vice-primeiro-ministro de Assuntos Humanitários. "Nossa exigência é que sejam realizadas eleições presidenciais este ano" e não em 2015 como está previsto, disse o ex-boxeador aos manifestantes. "Não cederemos, mas continuaremos negociando."

Poucas horas depois do anúncio, a violência continuava em Kiev e um grupo de cerca de 2 mil manifestantes atacaram um edifício chamado de Casa Ucraniana, usada como base de operações pela polícia, que respondeu lançando granadas. As forças de segurança no interior do prédio foram forçadas a se retirar.

Um jornalista da AFP constatou neste domingo que os opositores limpavam o local, coberto por cacos de vidro e outros traços do confronto. "Cumprimos com nossa tarefa. A Casa Ucraniana foi tomada sem que houvesse o derramamento de uma gota de sangue", proclamou Vitali Klitschko, um dos chefes da oposição.

Protestos ganham o país. A proposta de Yanukovitch chega após uma semana marcada pela violência na capital, com pelo menos três manifestantes mortos, e na qual os protestos se estenderam pela primeira vez a outras áreas do país.

O presidente aceitou, além disso, a criação de um grupo de trabalho para "modificar a legislação sobre os referendos e talvez, por meio deste mecanismo, propor emendas à Constituição", que dá amplos poderes à presidência, informou um comunicado.

A oposição pede a volta da constituição de 2004, que definia a Ucrânia como uma república parlamentar na qual o primeiro-ministro tinha plenos poderes. Contudo, o texto, uma das conquistas da 'Revolução Laranja' pró-ocidental, foi emendado para dar todo o poder ao presidente.

Há mais de dois meses, a oposição ucraniana está mobilizada contra o presidente, a quem reprova por ter renunciado a um acordo de cooperação com a União Europeia a favor de uma aproximação com a Rússia. Na semana passada, os protestos se radicalizaram como consequência da aprovação de uma série de leis repressivas contra os manifestantes.

Yanukovitch que, neste sábado, também se encontrou com os principais líderes de seu partido, prometeu buscar "um compromisso" para revisar estas leis. Contudo, o ministro do Interior, em um sinal dos desacordos dentro do poder, denunciou os "radicais" e disse que as tentativas de negociar são vãs.

No sábado, foi confirmada a morte de um homem de 45 anos que estava internado. Segundo o partido de oposição Svoboda, ele morreu após receber disparos na quarta-feira. Esta morte elevou para três o número oficial de vítimas nos enfrentamentos entre polícia e manifestantes, apesar de a oposição anunciar que houve seis.

Após dois dias de relativa calma, a tensão voltou a aumentar no sábado de madrugada na Gruchevski de Kiev, onde esta semana aconteceram cenas de guerrilha urbana.

Fora de Kiev, os protestos estão se estendendo à maioria das regiões do oeste, tradicionalmente mais próximas à Europa, onde milhares de manifestantes pediram a renúncia dos governadores nomeados pelo presidente e ocuparam edifícios públicos. Pela primeira vez os protestos também chegaram a regiões do norte (Chernígov) e do leste (Poltava).

Na cidade de Donetsk, o reduto de Yanukovitch, houve nos últimos dias manifestações de apoio ao poder. O presidente também está sob pressão da União Europeia, que pediu "gestos concretos" para que a calma volte a reinar. A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, visitará Kiev na quinta e na sexta-feira.

registrado em: